Mundo Mike Pence diz que EUA não vão ficar a assistir à desintegração da Venezuela

Mike Pence diz que EUA não vão ficar a assistir à desintegração da Venezuela

O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, assegurou que Washington recusa limitar-se a assistir à desintegração da Venezuela, antes de um encontro com venezuelanos que fugiram para a vizinha Colômbia.
Mike Pence diz que EUA não vão ficar a assistir à desintegração da Venezuela
reuters
Lusa 14 de agosto de 2017 às 17:56

Mike Pence (na foto) esteve esta segunda-feira em Cartagena, no noroeste da Colômbia, onde se encontrou com líderes religiosos e cerca de 50 venezuelanos, numa escala de uma viagem que o vai levar à Argentina. A mulher, Karen Pence, participou num círculo de oração e disse rezar pelo "bem-estar dos refugiados venezuelanos".

 

Antes da partida para Cartagena, depois de um encontro em Bogotá com o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, Mike Pence criticou as tentativas para consolidar o poder do presidente venezuelano, Nicolás Maduro.

 

"A Venezuela está a resvalar para uma ditadura e, como o disse o presidente Donald Trump, os Estados Unidos não vão ficar de braços cruzados a assistir à desintegração", disse o vice-presidente norte-americano.

 

Diferentes responsáveis políticos venezuelanos reagiram às críticas de Pence, entre os quais o ministro da Informação, Ernesto Villegas, que acusou Washington de interferir nos assuntos internos da Venezuela.

 

"Os Estados Unidos e o seu satélite Colômbia estão a tentar dar lições de democracia à Venezuela, enquanto dão cobertura a neonazis no seu próprio país", escreveu Villegas no Twitter, juntando fotografias dos confrontos em Charlottesville, na Virgínia, envolvendo grupos de extrema-direita.

 

Cerca de 25.000 venezuelanos atravessam diariamente a pé a ponte internacional Símon Bolivar para trabalhar ou comprar produtos no mercado negro, mas são cada vez mais os que o fazem para receber ajuda alimentar.

 

A crise na Venezuela tem levado à escassez de produtos básicos e estudos indicam que a subalimentação está a afetar um número crescente de venezuelanos.

 

O Governo da Colômbia preparou um plano de contingência para fazer face a um eventual êxodo maciço de venezuelanos, com a cooperação de organizações religiosas e de solidariedade social.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub