Américas Milhares de venezuelanos protestam contra Governo de Maduro

Milhares de venezuelanos protestam contra Governo de Maduro

Milhares de venezuelanos saíram à rua em protesto contra o Governo. Foi também convocada uma greve geral para sexta-feira e o vice-presidente do partido de Maduro já anunciou que o exército tomará o controlo das empresas que se juntarem à greve.
Manifestações na Venezuela em imagens Manifestações na Venezuela em imagens Manifestações na Venezuela em imagens Manifestações na Venezuela em imagens Manifestações na Venezuela em imagens Manifestações na Venezuela em imagens Manifestações na Venezuela em imagens Manifestações na Venezuela em imagens Manifestações na Venezuela em imagens Manifestações na Venezuela em imagens Manifestações na Venezuela em imagens Manifestações na Venezuela em imagens Manifestações na Venezuela em imagens Manifestações na Venezuela em imagens Manifestações na Venezuela em imagens Manifestações na Venezuela em imagens Manifestações na Venezuela em imagens Manifestações na Venezuela em imagens Manifestações na Venezuela em imagens Manifestações na Venezuela em imagens Manifestações na Venezuela em imagens Manifestações na Venezuela em imagens Manifestações na Venezuela em imagens Manifestações na Venezuela em imagens Manifestações na Venezuela em imagens
Lusa 27 de Outubro de 2016 às 09:37

A oposição venezuelana denunciou que mais de 120 pessoas ficaram feridas e outras 147 foram detidas nas manifestações de quarta-feira em 24 cidades do país.

 

A denúncia foi feita pelo ex-candidato presidencial Henrique Capriles, que disse ainda que na cidade de Mérida (760 quilómetros a sudoeste de Caracas) as autoridades permitiram que "pistoleiros e encapuçados", membros de "grupos armados" simpatizantes do regime, atacassem os manifestantes.

 

O líder da organização não-governamental local Fórum Penal, de defesa dos Direitos Humanos, tinha anteriormente dado conta de mais de 20 feridos e 39 detidos em protestos contra o Governo na Venezuela na quarta-feira.

 

Por outro lado, o ministro do Interior e Justiça, Nestor Reverol, informou que numa das manifestações em  Miranda um polícia morreu e outros dois ficaram feridos.

 

"O Governo deve entender que deve respeitar a Constituição. Não há outra agenda. A nossa agenda é a Constituição. Para sair da crise, a mudança tem de ocorrer de forma pacífica, eleitoral, constitucional, democrática e com o povo mobilizado, exercendo os seus direitos", vincou.

 

O também governador do estado de Miranda frisou que a oposição iniciou uma "etapa de protestos, resultado do golpe de Estado" do Conselho Nacional Eleitoral, que suspendeu o processo para convocar o referendo para destituir o Presidente venezuelano, Nicolás Maduro.

 

Por outro lado, destacou que os venezuelanos "responderam massivamente à tomada da Venezuela", referindo-se à convocatória para as manifestações de quarta-feira.

 

O Governo "tem de entender que a maioria está na disposição de tomar as ruas" para defender a Constituição, acrescentou.

 

"Se Maduro não reconsiderar, a 3 de Novembro vamos todos a Miraflores [Palácio presidencial], exigir que respeite o povo venezuelano", frisou.

 

Capriles disse ainda que além dos feridos e detidos, um jovem foi sequestrado por um membro de uma organização de esquerda em Mérida e que no estado de Vargas (norte de Caracas) foi atacada a sede do partido Vontade Popular, da oposição.

 

Para além da jornada de protesto nas ruas convocada para quarta-feira, a oposição venezuelana, reunida na aliança Mesa da Unidade Democrática (MUD), convocou uma greve geral de 12 horas para sexta-feira e uma manifestação junto ao palácio presidencial para 3 de Novembro.

 

A oposição quer realizar um referendo para destituir Maduro ainda este ano e tem acusado o Conselho Nacional Eleitoral de atrasar propositadamente a calendarização das diferentes etapas do processo, para protelar a saída do Presidente do poder.

 

A 21 de Outubro último o CNE adiou, "até nova ordem judicial", a recolha de assinaturas para a realização do referendo que estava prevista para 26, 27 e 28 de Outubro, depois de ter sido anunciado que foram anuladas, por tribunais, as assinaturas recolhidas na fase anterior do processo, correspondentes a 1% dos eleitores.

 

Se o referendo se realizar até 10 de Janeiro de 2017, deverão ser convocadas novas eleições presidenciais, segundo a legislação venezuelana. Depois dessa data, será o vice-presidente em funções a substituir Maduro até ao final da legislatura.

 

Exército vai ocupar empresas que aderirem à greve na Venezuela

O vice-presidente do Partido Socialista Unido da Venezuela, no poder, anunciou na quarta-feira que o exército tomará o controlo das empresas que se juntarem à greve geral convocada pela oposição para sexta-feira.

 

"Falei com o Presidente [Nicolás Maduro]: as empresas que pararem [serão] tomadas pelos trabalhadores e as forças armadas", declarou Diosdado Cabello, deputado e vice-presidente do partido, considerado o número dois no campo de Maduro.

 

A oposição quer realizar um referendo para destituir Maduro ainda este ano e tem acusado o Conselho Nacional Eleitoral de atrasar propositadamente a calendarização das diferentes etapas do processo, para protelar a saída do Presidente do poder.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Gatunos Há 1 semana

O regime venezuelano está tão podre e falido que vai cair de MADURO.

LOL Há 1 semana

Chega-lhes Maduro, qq coisa avança com o exercito para limpar essa escumalha de direita.

MNLSLB10 Há 1 semana

O povo tem razão, marque-se eleições! A situação neste país é deplorável.

pub