Europa Milhares manifestaram-se em Barcelona a favor da unidade de Espanha

Milhares manifestaram-se em Barcelona a favor da unidade de Espanha

Os jornais espanhóis falam em milhares de pessoas. A organização que promoveu a manifestação fala em mais de um milhão de pessoas nas ruas a manifestar-se pela unidade de Espanha.
Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters
Negócios 29 de outubro de 2017 às 12:28
As manifestações, pelos independentistas ou pelos que defendem a integração da Catalunha em Espanha, sucedem-se. Este domingo, 29 de Outubro, a Societat Civil Catalana convocou uma manifestação em Barcelona pela unidade de Espanha, sob o lema "Todos somos Catalunha! Pela convivência, sensatez".

O El Pais atribui à 
Societat Civil Catalana a contabilização dos manifestantes que cifra em mais de um milhão – fala em 1,3 milhões – entre os quais a presença dos líderes catalães dos partidos constitucionalistas.



É também o El Pais que dá conta que a Guardia Urbana cifra em 300 mil os assistentes nesta manifestação no centro de Barcelona. E a delegação do Governo fala também em 1 milhão.

A polícia nacional colocou um vídeo na sua conta do Twitter com imagens da manifestação.



A manifestação teve lugar um dia depois do Governo espanhol ter tomado o controlo das instituições catalãs, dando cumprimento à aplicação que decretou do artigo 155.º da Constituição. 

Os jornais espanhóis contam que durante a manhã de domingo os Mossos d'Esquadra (polícia regional) tiveram como missão tirar as imagens de ex-membros do governo catalão das esquadras e edifícios dessa polícia da comunidade. 

No governo catalão assumido por Madrid é agora a vice-presidente de Espanha, Soraya Sáenz Santamaría, que assume a maior parte das competências do presidente da comunidade.

Rajoy pronunciou-se na rede Twitter, dizendo que os catalães falarão com liberdade e garantias.



Mas há vários políticos que foram a Barcelona. Um dos discursos mais aguardados era o do ex-presidente do Parlamento Europeu, Josep Borrell que defendeu a aplicação do artigo 155.º. "Se se tivesse declarado a independência, muitos dos que aqui estão acabariam no desemprego. O 155.º impediu-o".  Borell, segundo o La Vanguardia, pediu que a justiça actue rapidamente contra os "que estão a fazer mal às pessoas". Na manifestação a favor da união foi pedida a prisão de Carles Puigdemont que já viu o secretário para as migrações belga dizer que pode pedir asilo político à Bélgica. Não há informações de que tenha feito esse pedido, mas Theo Francken, do partido independentista flamenco N-Va, já disse que essa pode ser uma hipótese, ainda que tenha acrescentado que não lhe estenderá o tapete de boas-vindas, pois tal, assume, implicaria uma situação diplomática "difícil com as autoridades espanholas". 

O primeiro-ministro belga, Charles Michel, já se demarcou, pedindo ao seu secretário de Estado que não lance mais fogo na fogueira. 

Presentes, segundo o ElMundo, na manifestação estiveram os líderes dos Ciutadans, do PP e do PSC, considerando que no próximo dia 21 de Dezembro se pode voltar a devolver o que consideram ser a legalidade interrompida em Setembro. Também a presidente da Sociedad Civil Catalana, Mariano Gomà, instou a população a ir às urnas nesse dia para "mudar a história da Catalunha". 

Sendo esta uma manifestação a favor da unidade, os discursos foram no sentido de apoiar as medidas adoptadas por Mariano Rajoy. 

(Notícia actualizada às 16:00 e às 17:30 com mais informações)






pub