Política Milhares protestam em Barcelona contra detenções e pró-referendo na Catalunha

Milhares protestam em Barcelona contra detenções e pró-referendo na Catalunha

Milhares de pessoas saíram esta quarta-feira às ruas em Barcelona em defesa do referendo pró-independência da Catalunha, Espanha, e em protesto contra a detenção de 14 pessoas alegadamente envolvidas na preparação do processo da consulta popular.
Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters
Lusa 20 de setembro de 2017 às 23:25

De acordo com a agência Associated Press, houve registo de protestos também noutras cidades da Catalunha e em Madrid, mas a maior concentração ocorreu esta noite em Barcelona junto de vários ministérios do governo catalão (Generalitat), nomeadamente da Economia.

 

Cerca das 22:00, os habitantes de Barcelona fizeram ainda um protesto sonoro com tachos e panelas também contra as detenções de hoje, noticiou a agência Efe.

 

A operação da polícia espanhola incluiu a revista de uma série de edifícios do Governo regional, a detenção de 14 pessoas e a apreensão de cerca de 10 milhões de boletins de voto, destinados ao referendo marcado para 1 de Outubro.

 

O presidente da Generalitat, Carles Puigdemont, acusou Madrid de actuar com uma "atitude totalitária" e assegurou que irá manter os preparativos do referendo de autodeterminação.

 

Por seu lado, o chefe do Governo espanhol, Mariano Rajoy, justificou a acção da polícia com a aplicação das leis e o Estado de direito.

 

Estes acontecimentos são o último episódio da tensão crescente entre Madrid e os separatistas da Catalunha.

 

O Tribunal Constitucional espanhol suspendeu no início do mês, como medida cautelar, todas as leis regionais aprovadas pelo Parlamento e pelo Governo da Catalunha que davam cobertura legal ao referendo de autodeterminação convocado para 1 de Outubro próximo.

 

Os partidos separatistas têm uma maioria de deputados no parlamento regional da Catalunha desde Setembro de 2015, o que lhes deu a força necessária, em 2016, para declararem que iriam organizar este ano um referendo sobre a independência, mesmo sem o acordo de Madrid.

 

Os independentistas defendem que cabe apenas aos catalães a decisão sobre a permanência da região em Espanha, enquanto Madrid se apoia na Constituição do país para insistir que a decisão sobre uma eventual divisão do país tem de ser tomada pela totalidade dos espanhóis.

 

O conflito entre Madrid e a região mais rica de Espanha, com um PIB superior ao de Portugal, com cerca de 7,5 milhões de habitantes e uma língua e culturas próprias, arrasta-se há várias décadas.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Um novo país sem moeda, sem o Euro, sem apoios da Europa, com as medidas que Espanha vai tomar , o caminho do deserto vai ser longo, quando o nivel de vida dos catalães começar a ficar afectado só vão ser independentistas os doentes politicos que querem ficar na historia ....o resta vai desertar.

Anónimo Há 2 dias

Há algum processo independentista que cumpra a lei? ahahah
Seguindo a lei nunca teria existido Portugal, nem Brasil, nem Estados Unidos...
Força de Catalunya! No es intimidi.

pub
pub
pub
pub