Empresas Ministério do Trabalho avalia rede de Centros de Apoio à Criação de Empresas em 2017

Ministério do Trabalho avalia rede de Centros de Apoio à Criação de Empresas em 2017

Os nove Centros de Apoio à Criação de Empresas (CACE) vão ser avaliados em 2017, disse hoje o secretário de Estado do Emprego, após assinatura de um protocolo para uma nova gestão do CACE de Loulé.
Ministério do Trabalho avalia rede de Centros de Apoio à Criação de Empresas em 2017
Bruno Simão/Negócios
Negócios 16 de dezembro de 2016 às 20:24

Ao longo dos anos, os vários CACE têm tido resultados e dinâmicas diferentes e o Governo pretende perceber como se podem tornar mais eficientes e reduzir o risco de falha, dando condições adequadas para o sucesso das novas empresas que acolhem.

 

A rede nacional é composta por nove CACE localizados em Mirandela, Santo Tirso, Porto, Castelo de Paiva, Seia, Portalegre, Monforte, Elvas e Loulé.

 

A avaliação da rede CACE portuguesa vai ser levada a cabo em simultâneo com programas como o Startup Portugal, do Ministério da Economia, e outras iniciativas do Governo que visam maior dinâmica económica e apoiar a criação de empresas e de emprego, referiu o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (na foto).

 

O CACE de Loulé, distrito de Faro, passou hoje a ser designado como Centro de Incubação e Aceleramento Empresarial de Loulé - Algarve e conta com 88% de ocupação, cerca de 10 empresas, explicou, após a assinatura do acordo de colaboração, um dos membros do consórcio gerente "Caravela Startup Algarve", Paulo Bernardo.

 

A estrutura vai passar a ser gerida em regime de colaboração entre o Instituto do Emprego e Formação Profissional e o consórcio. "O CACE esteve sempre em funcionamento só que acabou por haver um desinvestimento, por vários motivos, até ao anterior governo e por todos os cortes que se tiveram de fazer e, portanto, desinvestiu-se nesta rede", observou Paulo Bernardo.

 

O consórcio Caravela Startup Algarve, constituído pela associação cultural Circulo Teixeira Gomes, pela REGIOTIC, ligada às empresas tecnológicas, e a associação IBN QASI, assume a gestão deste centro de incubação de empresas que querem que acolha entidades empresariais capazes de se instalarem em qualquer ponto do Algarve.

 

"O Algarve tem condições excelentes para ter muitas empresas" e atrair mais investimento, para a relocalização de empresas, para a criação de emprego e criar melhores condições de vida no distrito, acrescentou aquele responsável.

 

Para esse fim, pretendem apostar na promoção externa do Algarve enquanto local ideal, quase um "potencial Silicon Valley da Europa" para a instalação de novas empresas ou para a sua relocalização, referiu Paulo Bernardo.

 

Empresas do setor farmacêutico, ligadas à tecnologia, às artes, à cultura e ao cinema estarão na mira dos responsáveis deste consórcio.


A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 17.12.2016

Se as redes sao dos campos de futebol que passaram a reforma no tempo do RICASSO BURROterres,estao por certo rotas.Palhacada mais palhacada do que as VACAS COM ASAS.Ja perceberam que os portugas gostam disto,avaliar pelas projeccoes.

pub