Justiça Ministério Público abriu 206 inquéritos ao abrigo da lei de combate ao branqueamento de capitais

Ministério Público abriu 206 inquéritos ao abrigo da lei de combate ao branqueamento de capitais

O Ministério Público instaurou, nos últimos quatro anos, 206 inquéritos e 16.972 comunicações, ao abrigo da lei de prevenção da prática de crimes de branqueamento de capitais, indicam dados divulgados pela Procuradoria-Geral da República.
Ministério Público abriu 206 inquéritos ao abrigo da lei de combate ao branqueamento de capitais
Correio da Manhã
Lusa 08 de dezembro de 2017 às 07:33
Segundo o Relatório Síntese 2014-2017 sobre Corrupção e Criminalidade Conexa da PGR, este ano, até 31 de Outubro, o Ministério Público (MP) recebeu 5.018 comunicações sobre transacções e actividades financeiras sobre as quais existiam suspeitas ou razões suficientes para suspeitas e instaurou 42 inquéritos, tendo determinado a suspensão de 42 operações bancárias, representando uma movimentação de 9,2 milhões de euros e 2,6 milhões de dólares.

No ano passado, o MP recebeu 5.186 comunicações e instaurou 41 inquéritos por branqueamento de capitais.

Foi ainda decidida a suspensão de 41 operações bancárias, abrangendo a movimentação de 25,5 milhões de euros e 2,7 milhões de dólares americanos.

Globalmente, nos últimos quatro anos, o MP determinou a suspensão de 190 operações bancárias, num total de 116,1 milhões de euros.

As instituições de crédito, empresas de investimento, sociedades gestoras de fundos de pensões e outras estão obrigadas a comunicarem ao MP e à Unidade de Informação Financeira da PJ (UIF) as transacções e actividades financeiras sobre as quais existam suspeitas de que teve lugar, está em curso ou foi tentada uma operação susceptível de configurar a prática de crime de branqueamento de capitais.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
LOL Há 5 dias

Ministério do Arquivo e da Despesa

pub