Justiça Ministério Público arquiva inquérito que envolve Centeno e Benfica

Ministério Público arquiva inquérito que envolve Centeno e Benfica

Numa nota divulgada na sua página da internet, a PGDL justifica que o MP determinou o arquivamento do inquérito por inexistência de crime.
Ministério Público arquiva inquérito que envolve Centeno e Benfica
Lusa 01 de fevereiro de 2018 às 16:59

 

O Ministério Público (MP) arquivou o inquérito que envolvia o ministro das Finanças, Mário Centeno, sobre alegados benefícios em troca de bilhetes para um jogo de futebol do Benfica, revela hoje a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL).

 

Numa nota divulgada na sua página da internet, a PGDL justifica que o MP determinou o arquivamento do inquérito por inexistência de crime.

 

"Realizado o inquérito, recolhida a prova documental e pessoal necessária ao apuramento dos factos, o MP concluiu pela não verificação do crime de obtenção de vantagem indevida ou qualquer outro, uma vez que as circunstâncias concretas eram susceptíveis de configurar a adequação social e política própria da previsão legal", adianta a PGDL.

 

A PGDL explica que "o MP no DIAP [Departamento de Investigação e Acção Penal] de Lisboa ordenou a instauração de processo-crime na sequência da publicação nos órgãos de comunicação social de notícias sobre a solicitação de bilhetes para assistência a jogo de futebol no dia 1.04.2017 em tribuna presidencial".

 

Aquela estrutura do MP refere que, "segundo tais notícias, no mesmo período temporal, veio a ser concedida uma isenção de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) a um familiar do presidente do clube que tinha oferecido os bilhetes ao ministro das Finanças".

 

Na última sexta-feira, magistrados do Ministério Público realizaram buscas no Ministério das Finanças para recolha documental

 

O inquérito foi dirigido pela 9.º secção do DIAP de Lisboa.

 




A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Centeno, o futebol e as isenções: porquê tanto aparato?

MAIS UMA BARRACA, SE É QUE É SÓ BARRACA DA PGR!

Mr.Tuga Há 3 semanas

Pois.......

Comentários para quê?
Favores e trafico de influencias e "cunhas" não são crime nos sítios atrasados e subdesenvolvidos....

Ontem soube-se que, num PAIS A SÉRIO, um ministro A SÉRIO, demitiu-se por ter chegado 2minutos atrasado.... Descubra as diferenças!

31 Há 3 semanas

O ilicito existe se não é corrupção é obtenção de vantagem (neste caso segurança) que teria que pagar se não a obtivesse desta maneira . Mas enfim,dando de barato isso ,não passa pela cabeça de ninguém ajuízado ,como eu ,que em tantos interesses concentrados no Benfica e seus chefes nada mais houve!

Anónimo Há 3 semanas

Se este caso se passasse com um cidadão comum já tinho sido constituído arguido no mínimo! Mas como é com o Charlatão das finanças não se passa nada! Estamos a voltar aos tempos do antigo arquivador-geral da república. Por alguma razão se querem ver livres da actual PGR.

ver mais comentários
pub