Banca & Finanças Ministra da Presidência reitera preferência do Governo pela venda do Novo Banco

Ministra da Presidência reitera preferência do Governo pela venda do Novo Banco

A ministra da Presidência, Maria Manuel Leitão Marques, reiterou, numa entrevista ao DN e à TSF, a preferência do Governo pela venda do Novo Banco, de forma a garantir "o mínimo impacto possível na dívida pública".
Ministra da Presidência reitera preferência do Governo pela venda do Novo Banco
Pedro Elias
Lusa 05 de fevereiro de 2017 às 10:15

"Se houver uma mudança da proposta, exactamente, que garanta que a venda não tem impactos negativos ou tem impactos menores do que teria a nacionalização, a nossa opção será, naturalmente, pela venda", assegurou a ministra da Presidência e da Modernização Administrativa na entrevista publicada este domingo, 5 de Fevereiro, no Diário de Notícias.

As palavras da ministra aconteceram poucos dias depois de o Parlamento chumbar, com os votos do PS, PSD e CDS, propostas de resolução do BE e do PCP que pretendiam garantir a continuação do Novo Banco na esfera pública.


Num sentido mais lato, referindo-se à banca em Portugal, Maria Manuel Leitão Marques considerou que os diversos casos estão a ser resolvidos com "atraso", pois deveriam ter sido solucionados há já alguns anos, quando outros países, como a Espanha, o fizeram.


"Estamos a resolver tudo com atraso", sustentou.


No caso das parcerias público-privadas (PPP) na área da saúde, a ministra afirmou que "o Governo assumirá a melhor solução que garanta a qualidade do serviço e a sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde".


"Para já, não quer dizer que as parcerias tenham de ser aprovadas no Parlamento, porque se não forem aprovadas por decreto-lei, serão uma decisão política do governo", assegurou a ministra.

Na entrevista ao Diário de Notícias, a ministra da Presidência referiu-se a muitos outros assuntos, incluindo o da precariedade.


Maria Manuel Leitão Marques admitiu que no caso dos vínculos contratuais para os precários da função pública "há constrangimentos orçamentais".


Assegurou contudo que se uma pessoa estiver a cumprir uma necessidade permanente, é preciso abrir um posto de trabalho permanente.




A sua opinião15
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Black Fraude Há 3 semanas

Outra Theresa May, ar serio e só banalidades, flop

Anónimo Há 3 semanas

Por causa

Anónimo Há 3 semanas

Pt

Anónimo Há 3 semanas

E

ver mais comentários
pub