Saúde Ministro acredita que Saúde terá mais dinheiro em 2018  

Ministro acredita que Saúde terá mais dinheiro em 2018  

O ministro da Saúde acredita que terá mais dinheiro disponível no orçamento do próximo ano e reitera que há um "alinhamento perfeito" com o Ministério das Finanças.
Ministro acredita que Saúde terá mais dinheiro em 2018  
João Cortesão
Lusa 09 de junho de 2017 às 07:33

Em entrevista à agência Lusa, Adalberto Campos Fernandes afirma que é prematuro, em Junho, estar a fazer previsões públicas sobre o orçamento do seu Ministério para 2018, mas acredita que haverá mais dinheiro para a saúde.

 

"A minha expectativa é a de que em 2018 possamos ter mais dinheiro para a saúde, dentro do que é a capacidade que o país tem de distribuir pelas diferentes áreas os recursos, que infelizmente ainda não são os que gostaríamos todos", declarou.

 

Sobre a relação entre Ministério da Saúde e das Finanças, que recentemente tem sido questionada nomeadamente pela oposição, Campos Fernandes refere que tem um "alinhamento perfeito" com Mário Centeno.

 

"Trabalhamos regularmente e estamos fixados no mesmo objectivo de devolver ao país a soberania económica, o respeito internacional, autonomia nos mercados financeiros, fazer com que Portugal, tão cedo quanto seja possível, veja o 'ranking' melhorado, que a economia cresça acima dos 3% e continuemos a fazer o trabalho que temos feito: criar emprego como nunca se tinha sido criado nos últimos anos e dar consistência à esperança", afirmou.

 

Assumindo que não tem medidas bloqueadas pelo Ministério das Finanças, Adalberto Campos Fernandes recusa entrar na dicotomia de "polícia bom e polícia mau".

 

"Seria para mim muito fácil e simpático e far-me-ia popular se eu quisesse fazer o papel de polícia bom e o meu colega das Finanças de polícia mau, mas isso é absurdo, porque eu tenho o orçamento que negociei no final do ano passado, com a consciência de que é um orçamento limitado, como foi limitado para outras áreas", referiu.

 

O ministro recordou que em 2016 e 2017 a área da Saúde teve mais recursos financeiros, lembrando também que hoje há mais quatro mil profissionais do que no início da legislatura.

 

Numa apreciação ao trabalho dos hospitais portugueses, o governante lembrou que "muitos dos administradores gerem os hospitais em cima do fio da navalha".

 

"Imagine o que é gerir um hospital como o Médio Tejo ou Santarém, onde a falta de um anestesista significa que o bloco não trabalha e, no entanto, existem cirurgiões. Mais de que uma cultura de perseguição, dizendo que os administradores são maus ou bons, o importante é dar-lhes os meios, a autonomia e a responsabilização individual".

 

Campos Fernandes aproveitou para sublinhar que há uma diferença entre as dificuldades decorrentes de um orçamento apertado e comportamentos ilícitos ou ilegais.

 

Na área da fraude, lembrou que os problemas identificados pela justiça têm sido a outros níveis que não o dos administradores hospitalares.

 

Para o combate à fraude tem contribuído a prescrição de medicamentos electrónica e sem papel, que já está instalada em 96% do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

 

A este nível, o sextor privado tem números mais modestos, mas o Governo está neste momento a tentar que os convencionados com a ADSE avancem todos para as receitas sem papel.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Conselheiro de Trump 09.06.2017

Finalmente perceberam q por o carro a frente dos bois nao funciona(imperra),so q agora praticamente ja nao ha nada a fazer,dinheiro gasto e como a agua q passa por debaixo duma ponte,so acontece 1 vez.Para alem destes males q sao mais q muitos,ainda cria MINHOCAS na cabeca dos radicais,eles deliram.

pub