União Europeia Ministro britânico sem certezas de um acordo com a UE

Ministro britânico sem certezas de um acordo com a UE

O ministro britânico para o 'Brexit' (saída do Reino Unido da União Europeia), David Davis, afirmou hoje estar confiante sobre a concretização de um futuro acordo comercial entre Londres e o bloco europeu, mas admitiu não ter certezas absolutas.
Ministro britânico sem certezas de um acordo com a UE
Chris Ratcliffe/Bloomberg
Lusa 25 de junho de 2017 às 17:16

"Estou bastante confiante, mas não estou totalmente seguro, nunca se pode estar, é uma negociação", respondeu o ministro, quando questionado durante um programa da estação pública britânica BBC se estava confiante na concretização de um acordo com o bloco comunitário.

 

No mesmo programa, David Davis foi confrontado com antigas declarações nas quais dava como garantido um acordo com Bruxelas.

 

"Podemos estar confiantes de que existirá um acordo, mas se será o acordo que desejo, sobre o comércio livre, sobre as questões aduaneiras e sobre tudo o resto [...], estou bastante confiante, mas não tenho a certeza", referiu o negociador britânico, frisando que a situação é imprevisível.

 

Perante a possibilidade de não ser alcançado qualquer acordo, o ministro deu uma resposta em linha com a posição defendida pela primeira-ministra conservadora britânica, Theresa May: "Seria melhor do que um acordo de castigo" imposto pela União Europeia (UE).

 

"Não podemos ficar numa situação em que a outra parte declara que vai punir-nos. Se isso acontecer, então é tempo de recuar e planear perante tal situação", disse David Davis.

 

O ministro britânico, que descreveu o representante da UE nas negociações para a saída do Reino Unido, Michael Barnier, como "muito francês, muito elegante", assegurou que deseja conseguir um resultado "que beneficie as duas partes" e anteviu que existirá um período transitório de "um ou dois anos" antes que seja aplicado o novo enquadramento regular pós-Brexit.

 

O representante britânico reiterou que a prioridade das negociações entre a UE e o Reino Unido, que arrancaram formalmente na passada segunda-feira, é definir a situação dos cidadãos britânicos e comunitários que vivem nos dois lados do Canal da Mancha, bem como as condições da fronteira da Irlanda do Norte com a Irlanda.

 

A primeira discussão formal do 'Brexit', ocorrida a 19 de Junho em Bruxelas, aconteceu cerca de um ano após o referendo que em 23 de Junho de 2016 decidiu a saída do Reino Unido da União Europeia.

 

Londres deverá abandonar em definitivo a UE no final de Março de 2019, dois anos após o início oficial do procedimento de saída, quando May accionou o artigo 50.º do Tratado de Lisboa.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Conselheiro de Trump 25.06.2017

Nao e dificil de adivinhar,com a carencia de trabalho dentro da Europa e vai acentuar-se mais e 1 questao de tempo(e so deixar passar este tempo inventado pelos governos atravez de eles proprios terem injectado dinheiro na economia)caso contrario viviamos a crise de 2008.Quem nao poda,nao pode queix

pub
pub
pub
pub