Saúde Ministro da Saúde diz que fim da ADSE é "disparate" e acusa privados de tacticismo

Ministro da Saúde diz que fim da ADSE é "disparate" e acusa privados de tacticismo

Adalberto Campos Fernandes assegura que os cenários aventados sobre o fim da ADSE são um "disparate" e acusou os privados de "táctica negocial" ao assumirem a possibilidade de atenderem os beneficiários nas mesmas condições, mas fora da convenção.
A carregar o vídeo ...
Lusa 26 de janeiro de 2018 às 12:08
O ministro da Saúde classificou esta sexta-feira, 26 de Janeiro, de "disparate" um eventual fim da ADSE e disse que a hipótese de os hospitais privados atenderem os beneficiários nas mesmas condições, mas fora da convenção, não passa de uma "táctica negocial".

"Não vamos ser tremendistas, nem comentar táctica negocial", disse Adalberto Campos Fernandes aos jornalistas, à margem das XXI Jornadas de Infecciologia que decorrem em Lisboa.

O ministro falava a propósito da nova tabela de preços com que a ADSE pretende pagar os serviços prestados pelos prestadores convencionados, a qual os privados já consideraram "incomportável".

Em entrevista à agência Lusa, o presidente da Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP), Óscar Gaspar, revelou que estas unidades de saúde estão a estudar uma forma de os beneficiários da ADSE continuarem a ter acesso aos serviços, nas mesmas condições, mas sem ser através do subsistema de saúde dos funcionários públicos.

Segundo Óscar Gaspar, "pode haver soluções que permitam, ainda que não no regime convencionado, que os mesmos beneficiários tenham acesso à rede".

"Estamos a procurar soluções que permitem que os beneficiários da ADSE continuem a poder ter acesso, nas mesmas condições, aos nossos hospitais", sublinhou.

Confrontado com esta ideia, o ministro disse não encontrar razões para comentar: "Francamente, parece-me que se trata de táctica negocial. Só poderemos avaliar o que acontece no final de Fevereiro e ver o que está em cima da mesa em termos de negociação", disse.

"Alguns agentes, incompreensivelmente, procuram fazer a negociação pelos jornais. não é correto, não faz sentido, mas é um direito que lhes assiste", adiantou.



A sua opinião14
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
luis 26.01.2018

quando o coelho cortou a eito nos salarios dos pobres era muito bem.

Francisco António 26.01.2018

Mais uma cortina de fumo ! Há uns anos foi a febre das universidades privadas. Nasciam como cogumelos ! Agora são os hospitais privados. Quando a coisa dá para o torto toca a transferidos os doentes/clientes para os hospitais públicos. E sem a ADSE os privados ...ficam insolventes !!!

Fpublico condenado a 48 anos trabalho/descontos 26.01.2018

ó estouapau- feito !

historias esta portugal cheio

manda email ao ministro para obrigar ciganada e não só a fazer descontos p/SNS e pagarem a renda de casa

os tugas Fpublicas pagam 3,5 p/ADSE e pagam tb pro SNS da xungaria de bairros sociais c/ casa a custa dos meus impostos

Maurício 26.01.2018

Os privados são uns ladrões. O Estado rouba os privados (e a todos nós). Ladrão que rouba a ladrão...

ver mais comentários
pub