Europa "Ministro" do governo catalão demite-se em desacordo com opção de Puigdemont

"Ministro" do governo catalão demite-se em desacordo com opção de Puigdemont

"Demiti-me. As minhas tentativas de diálogo fracassaram novamente. Espero ter sido útil, até ao último minuto, ao presidente [Carles Puigdemont] e aos catalães", disse o 'conseller' de Empresa e Conhecimento.
"Ministro" do governo catalão demite-se em desacordo com opção de Puigdemont
Reuters
Lusa 27 de outubro de 2017 às 00:12

O 'conseller' (ministro regional) com a pasta da Indústria do governo regional catalão, Santi Vila, demitiu-se hoje em desacordo com a decisão do presidente Carles Puigdemont de deixar para o parlamento regional uma eventual declaração de independência.

 

"Demiti-me. As minhas tentativas de diálogo fracassaram novamente. Espero ter sido útil, até ao último minuto, ao presidente [Carles Puigdemont] e aos catalães", disse o 'conseller' de Empresa e Conhecimento.

 

Nos últimos dias -- e entre muitos rumores de que estaria prestes a demitir-se - Vila foi uma das vozes mais fortes no governo regional a favor de uma convocatória de eleições antecipadas e da necessidade de evitar uma declaração de independência.

 

Santi Vila era o 'conseller' mais moderado do Governo regional catalão e entrou para o lugar em Junho, em substituição de Jordi Baiget, que tinha sido destituído após ter expressado em público dúvidas sobre a realização do referendo a 01 de Outubro.

 

Na sequência do referendo e das posições do governo regional, mais de 1.300 empresas catalãs mudaram a sede social ou fiscal para outras regiões de Espanha, um êxodo com consequências ainda por calcular para a economia catalã.

 

Carles Puigdemont pôs hoje de parte a hipótese de convocar eleições antecipadas na Catalunha para travar as medidas que o Governo de Madrid se prepara para ver aprovadas no Senado para restaurar a legalidade na região.

 

O presidente regional acabou por fazê-lo após demonstrações públicas contra si protagonizadas pelos independentistas e depois de alguns deputados do seu partido, o Partido Democrático Europeu da Catalunha (PDeCAT), se terem demitido.

 

Dois deputados do PDeCAT no parlamento catalão anunciaram a saída do partido, em protesto contra a eventual decisão do presidente do governo regional, tal como dava conta a imprensa catalã e madrilena de hoje.

 

Puigdemont acabaria por recuar nessa ideia, mas pelo menos o autarca de La Seu d'Urgell (Lleida), Albert Batalla, e o deputado Jordi Cuminal apresentaram mesmo a decisão.

 

Anterior responsável da Convergência Democrática da Catalunha (CDC, antecessora do PDeCAT) e do executivo anterior, liderado por Artur Mas, Cuminal divulgou uma mensagem semelhante: "Não partilho a decisão de ir a eleições. Renuncio ao meu lugar de deputado e saio do PDeCAT".

 

O PDeCAT integra, juntamente com a ERC (Esquerda Republicana Catalã), e outros partidos, a coligação Junts pel Sí (JxSí), que apoia o governo catalão no parlamento regional.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub