Economia Misericórdias e IPSS recebem mais dinheiro para compensar chumbo da TSU

Misericórdias e IPSS recebem mais dinheiro para compensar chumbo da TSU

O Governo vai aprovar esta quinta-feira o aumento das transferências financeiras para misericórdias e IPSS, bem como uma alteração ao PEC para compensar o chumbo da TSU.
Misericórdias e IPSS recebem mais dinheiro para compensar chumbo da TSU
Bloomberg
Negócios 26 de janeiro de 2017 às 08:51

O Governo vai aprovar esta quinta-feira em Conselho de Ministros um aumento das transferências para misericórdias e instituições particulares de solidariedade social (IPSS) para compensar o chumbo da descida da taxa social única para os patrões, além da redução do pagamento especial por conta, segundo avança o jornal Público.

A reivindicação tinha sido deixada no início desta semana por Lino Maia, presidente da CNIS, que em declarações ao Negócios pediu uma actualização dos acordos de cooperação acima do nível da inflação.

Esta quarta-feira, no Parlamento, o líder parlamentar do PS já tinha prometido um apoio a estas entidades.

De acordo com o mesmo jornal, a redução do pagamento especial por conta só terá efeitos em 2018, apesar de António Saraiva ter afirmado ao Negócios esta quarta-feira, após a reunião com o primeiro-ministro, que o que ficou combinado é que a medida destinada a compensar o aumento do salário mínimo se aplicaria já este ano: desejavelmente, em Março.

Questionado pelo Negócios, o presidente da CIP reiterou esta manhã que a redução do PEC se aplica "em 2017".


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub