União Europeia Münchau: "Independência da Catalunha seria muito pior que versão mais extrema do Brexit"

Münchau: "Independência da Catalunha seria muito pior que versão mais extrema do Brexit"

O maior impacto seria económico e faria regressar a crise à Zona Euro, defende o colunista do Financial Times. Sector financeiro seria o mais atingido.
Münchau: "Independência da Catalunha seria muito pior que versão mais extrema do Brexit"
Albert Gea/Reuters
Paulo Zacarias Gomes 08 de outubro de 2017 às 15:26
A declaração de independência da Catalunha e a sua separação de Espanha teriam efeitos ainda piores para a Europa do que a saída do Reino Unido da União Europeia, a começar pela Zona Euro, de onde os catalães seriam automaticamente excluídos. 

Quem o defende é Wolfgang Münchau, director do Eurointelligence e colunista do Financial Times que acredita, num artigo escrito no jornal britânico, que esta saída levaria à queda do sistema bancário e faria regressar a crise económica e financeira à Zona Euro.

"O principal argumento contra a crise é económico. (...) O que torna a independência dos catalães muito pior que a versão mais extrema do Brexit é a saída forçada imediata da Zona Euro. (...) O Catalexit seria um regresso repentino e dramático à crise da Zona Euro. O sistema bancário de uma das regiões mais ricas do mundo colapsaria", escreve.

É por isso - acrescenta - que CaixaBank e Sabadell decidiram no final da semana passada mudar as suas sedes para fora de território catalão, o que no caso de uma declaração unilateral de independência lhes garantirá que continuam a ter acesso a financiamento por parte do Banco Central Europeu e do Banco de Espanha.

Münchau refere ainda que, em teoria, a Catalunha poderia adoptar unilateralmente o euro como moeda, mas que a sua elevada dimensão económica torná-lo-ia difícil. Por outro lado, o território não está preparado para introduzir a sua própria moeda no dia seguinte a uma possível independência.

"Seria uma loucura tentar gerir uma economia tão grande e desenvolvida sem um banco central. (...) Podemos ir mais longe e argumentar que a presença de uma união monetária torna impossível uma independência regional" sustenta o colunista.

Mas há mais consequências além da monetária: persistem dúvidas sobre a permanência do possível novo país na União Europeia. A saída levaria à perda da cidadania espanhola e da UE por parte dos catalães, tornaria a fronteira externa da Catalunha fortemente controlada face ao resto da Europa e ao espaço Schenghen obrigando os cidadãos a pedirem vistos para viajar, defende.

E Catalunha perderia ainda o direito a taxas alfandegárias reduzidas a que tem direito pela pertença de Espanha à Organização Mundial do Comércio, acrescenta. "O argumento mais forte contra a independência da Catalunha nesta fase é a total falta de preparação," resume o colunista. 

Sem tomar partido por nenhum dos lados, considera uma má opção o recurso à força para travar a independência, o que reforçará a vontade de separatismo. E assume que a situação pode provocar uma "insurreição geral e possíveis conflitos violentos" se o governo de Mariano Rajoy vier a usar a "bomba atómica" e activar o artigo 155 da Constituição, que suspende a autonomia da região.

Os alertas de Münchau chegam no dia em que cerca de um milhão de pessoas se manifestaram nas ruas de Barcelona e outras cidades espanholas contra a independência da Catalunha.

Na próxima terça-feira o presidente da autonomia catalã, Carles Puigdemont, deverá comparecer no parlamento da Catalunha, depois de o Tribunal Constitucional ter suspendido uma outra sessão que deveria realizar-se na segunda-feira e onde Puigdemont poderia proferir a declaração unilateral de independência, na sequência do resultado do referendo de domingo passado, considerado ilegal por Madrid.



A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 09.10.2017

A Catalunha retrata a realidade de um povo trabalhador e honesto que durante os últimos 40 anos tem sido governado por um monarca falido e governos corruptos. Rajoy e as suas trapalhadas a banca Madrilena atolada de empréstimos de favores e claro um território abandonado à sua sorte dão nisto...

Pierre Ghost 08.10.2017

Com golpistas nao se negoceia !
Puigdemont á prision !!!
Puigdemont á prision !!!
Puigdemont á prision !!!

Invicta 08.10.2017

Não dá para perceber, porque quem conspirou ainda está em liberdade e continua em funções. Algo está mal nas instituições espanholas.

Anónimo 08.10.2017

Rajoy deveria pedir a demissão e convocar novas eleições, depois do fracasso em resolver a situação falando. Quis o confronto político e agora tem a Espanha toda contra ele. Está só apoiado pelos franquistas e flangistas do cidadãos.

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub