Política Moção de Censura: CDS vai além da "indignação política" e apresenta propostas

Moção de Censura: CDS vai além da "indignação política" e apresenta propostas

O CDS-PP leva hoje ao plenário do parlamento uma moção de censura ao Governo como "acto de indignação política" dos portugueses pelas "falhas do Governo nos incêndios trágicos de 2017", apresentando também propostas em diversas áreas.
Moção de Censura: CDS vai além da "indignação política" e apresenta propostas
Pedro Elias
Lusa 24 de outubro de 2017 às 07:50

"Esta moção de censura é um acto de indignação política. Se melhor razão não houvesse para a moção do CDS, ela resultou na confissão do Governo, com a demissão da ministra da Administração Interna, o pedido desculpa do primeiro-ministro, o Conselho de Ministros", disse à Lusa o líder parlamentar centrista, Nuno Magalhães.

O CDS vai acompanhar a apresentação da moção, que tem chumbo garantido, com propostas alternativas em várias áreas da governação, seguindo-se visitas a regiões afectadas pelos incêndios na quarta, quinta e sexta-feira.

Na moção, que tem por título "Pelas falhas do Governo nos incêndios trágicos de 2017", o CDS-PP considera que "as medidas anunciadas para o médio e longo prazo não justificam a omissão no curto prazo" e que, no período entre as duas tragédias, "o primeiro-ministro não se mostrou disponível para assumir as responsabilidades políticas" já contidas no relatório da Comissão Técnica Independente sobre os incêndios de Junho.

O Governo minoritário do PS enfrentará a sua primeira moção de censura, a 29.ª em 43 anos de democracia, mas PCP, BE e PEV já anunciaram que vão "chumbar" a iniciativa do CDS-PP.

Esta é a sétima moção de censura apresentada pelo CDS-PP e a 29.ª a ser discutida na Assembleia da República.

Os três partidos de esquerda que têm apoiado o executivo, PCP, BE e PEV, já anunciaram que votam contra. Com os votos do PS, a moção é chumbada. 

No texto da moção, o CDS-PP começa por lembrar as vítimas do fogo iniciado em Pedrógão Grande, em 17 de Junho, sobre a qual o relatório da Comissão Técnica Independente conclui que "era possível ter evitado a propagação do incêndio" e limitado a tragédia.

"Tal não aconteceu por incompetência e descoordenação do Estado", acusam os centristas, que criticam o primeiro-ministro, António Costa, por durante quatro meses "pouco ou nada" ter feito para repor a confiança dos cidadãos e, após a divulgação do relatório, ter perdido "nova oportunidade para revelar sentido de Estado".

No passado dia 15, o país foi atingido por uma nova vaga de incêndios que provocaram, até agora, 44 mortos e mais de 500.000 hectares de área ardida.

"Analisado o período que mediou as duas tragédias, verificamos que o Governo não fez tudo o que estava ao seu alcance para evitar o sucedido", critica o CDS-PP, lamentando igualmente "as declarações insensíveis e desajustadas dos membros do Governo" após os incêndios.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
É isto que o PSD tem a oferecer ? Há 3 semanas

A Estupidez d PSD ao alto Nível, perdeu a Oportunidade de Recuperar algúm Terreno ao CDS, é preciso n perceber NADA de Política,quer votando a proposta do CDS, quer no que resultaria a queda deste Orçamento de Estado, o melhor Orçamento de há Uns 20 Anos, que trás melhoramentos, nas Reformas,etc.

Saber mais e Alertas
pub