Finanças Públicas Moedas: Portugal está pela primeira vez no bom caminho no que respeita ao défice

Moedas: Portugal está pela primeira vez no bom caminho no que respeita ao défice

O comissário europeu para a Inovação, Ciência e Investigação, Carlos Moedas, destacou hoje que Portugal está "pela primeira vez no bom caminho para sair do procedimento por défices excessivos (PDE)".
Moedas: Portugal está pela primeira vez no bom caminho no que respeita ao défice
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 16 de Novembro de 2016 às 14:06

"Pela primeira vez vem na comunicação da própria Comissão o facto de Portugal estar no bom caminho para sair finalmente do procedimento por défice excessivo", disse Carlos Moedas, sublinhando que o país está "desde 2009 numa situação em que não cumpre as regras e pela primeira vez" está "a ver uma luz ao fundo do túnel".

 

O comissário salientou ainda que o rumo está traçado para "quando os dados do Eurostat forem divulgados, lá para Março ou Abril, Portugal estar fora do PDE".

 

Portugal tem estado sujeito a um procedimento por défice excessivo desde Dezembro de 2009, altura em que o Conselho Ecofin da União Europeia (UE) emitiu uma recomendação instando-o a corrigir o défice até 2013.

 

Todavia, em Abril de 2011, após vários meses de pressão dos mercados sobre as suas obrigações soberanas, Portugal solicitou assistência externa, tendo obtido um pacote de 78 mil milhões de euros de empréstimos da 'troika' (Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional).

 

Em Outubro de 2012, o Conselho prorrogou o prazo de correcção do défice por um ano, até 2014, tendo em conta a recessão que Portugal enfrentava.

 

As perspectivas económicas continuaram a deteriorar-se, tendo o défice da administração pública atingido 6,4% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2012.

 

Em Junho de 2013, o Conselho prorrogou o prazo de correcção do défice por mais um ano, até 2015. Definiu objectivos para o défice nominal de 5,5% do PIB em 2013, 4,0% do PIB em 2014 e 2,5% do PIB em 2015.

 

Portugal saiu do programa de ajustamento económico em Junho de 2014.

 

No entanto, Portugal não corrigiu o seu défice até 2015, conforme exigido, e o esforço orçamental envidado ficou muito aquém do que foi recomendado pelo Ecofin.

 

A Comissão Europeia afirmou hoje que Portugal deverá respeitar o valor de referência para o défice orçamental de 3% em 2016, podendo encerrar o PDE se realizar uma correcção "atempada e sustentável".




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

A única "limpeza" que o PPC fez foi à minha carteira e à de milhões de portugueses.

Joao22 Há 3 semanas

Porque dar so parabéns ao Costa. Que fez? dou antes parabéns ao PPC por ter feito muita limpeza. Costa esta a aguentar-se por enquanto. Ate disse que o PIB era uma surpresa (inquietante quando não se tem controle daquilo que se preside). Espero, antes de lhe dar verdadeiros parabéns, se é capaz de levar Portugal para a frente. crescimento de 1% levou-nos a bancarrota e sera o mesmo se nos contentarmos disso. Chega da mediocridade deste ultimos 10 anos.

costa Há 3 semanas

Parabéns governo e o seu chefe António Costa. A geringonça é uma benção para todos, sobretudo para os mais desfavorecidos.

Anónimo Há 3 semanas

MAS Q SURPRESA ! NINGUÉM COMENTA.

pub