Economia Moody’s antecipa crescimento mais moderado e subida do défice em 2018

Moody’s antecipa crescimento mais moderado e subida do défice em 2018

A agência de notação financeira está mais pessimista do que o Governo em relação ao crescimento da economia e à evolução do défice, mas admite que uma consolidação orçamental e redução da dívida mais rápidas podem beneficiar o rating.
Moody’s antecipa crescimento mais moderado e subida do défice em 2018
Bloomberg
Rita Faria 19 de maio de 2017 às 07:55

A agência Moody’s elogia a evolução da economia portuguesa este ano, mas acredita que as perspectivas a mais longo prazo continuam "moderadas". Porém, se Portugal surpreender ao nível da consolidação orçamental e da redução da dívida, isso poderá ter um efeito positivo no rating atribuído pela agência, que coloca neste momento a dívida portuguesa num nível abaixo do patamar de investimento.

 

Num relatório divulgado esta sexta-feira, 19 de Maio, a agência de notação financeira antecipa que a subida do PIB deverá abrandar de 1,7% este ano para 1,4%, em 2018, abaixo das estimativas do Governo que apontam para um crescimento da economia de 1,9% no próximo ano. Já o défice deverá deteriorar-se para 2% do PIB em 2018, o que compara com os 1% previstos pelo Executivo de António Costa.  

 

A classificação da dívida portuguesa poderá ser aumentada se a consolidação orçamental e a redução da dívida acelerarem significativamente em comparação com as expectativas. "Um crescimento económico mais forte também seria benéfico para a notação", destaca a Moody’s.

 

Pelo contrário, o rating poderia ser penalizado se houvesse sinais de que o compromisso do Governo com a consolidação orçamental e com a redução da dívida diminuiu, ou se não houvesse apoio político para "políticas orçamentais prudentes". "Isto colocaria em risco a sustentabilidade da tendência da dívida pública", acrescenta a agência de notação financeira.

 
Redução da dívida "gradual"

Para a Moody’s, o elevado nível de dívida pública continua a ser uma preocupação, com a agência a estimar que esta cairá gradualmente, ainda que se deva fixar em torno de 125% do PIB em 2020.

 

"O perfil de crédito de Portugal é sustentado pela recuperação económica, pelo seu regresso aos mercados de capitais privados, pela diversificação da economia e pelos níveis relativamente elevados de riqueza média", afirma Evan Wohlmann, vice-presidente da Moody's e co-autor do relatório. "A principal restrição de crédito em Portugal está relacionada com a sua elevada dívida pública. Embora esperemos que a dívida comece a diminuir em percentagem do PIB este ano, qualquer redução da dívida só será gradual".

 

No relatório, a Moody’s salienta ainda que, apesar dos desenvolvimentos positivos em 2017 terem ajudado a estabilizar o sector bancário, a susceptibilidade a riscos continua a existir.  

 

A agência concretiza que o elevado nível de crédito malparado continua a ser uma preocupação, perpetuando o ciclo negativo entre bancos fracos, investimento moderado e baixo crescimento económico.

Este relatório anual da Moody’s para Portugal surge depois de a 5 de Maio a agência não ter alterado a notação financeira, que se manteve assim em Ba1, o primeiro nível da categoria de investimento especulativo, ou lixo. O "outlook", que é a perspectiva para a evolução da qualidade da dívida, continua a ser "estável". 1 de Setembro é próxima data no calendário para a agência se pronunciar sobre o "rating" de Portugal.

 

Depois de ter elevado o rating de Portugal para o actual patamar, a 25 de Julho de 2014, a Moody's já teve agendadas várias revisões mas tem decidido não proceder a qualquer mexida. Entre as restantes grandes agências, também a Fitch e a Standard & Poor’s colocam Portugal neste patamar e com perspectiva "estável". Apenas a canadiana DBRS tem a dívida soberana do país fora de "lixo", no último grau da categoria de investimento de qualidade – sendo que o "outlook" é "estável".


A sua opinião17
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

O PS faliu a República e pediu um resgate internacional ao FMI e à União Europeia. O PS foi responsável por tudo. Só não quer ser responsável pelas reformas que Portugal tem de fazer para evitar cair na mesma situação ruinosa porque essas reformas vão contra o programa sindicalista e de compadrio de inspiração bolivariana do PS que se opõe claramente à equidade e sustentabilidade como elas são definidas segundo os moldes e os preceitos das economias, culturas e sociedades mais avançadas.

comentários mais recentes
semcrer Há 4 dias

O 'Anónimo' do discurso recorrente alusivo ao excedentarismo e afins, tem todo o direito de expressar as suas opiniões, afinal este deveria ser, por excelência, um fórum de debate e contraponto de ideias e visões sobre os mais diversos assuntos!

O que já não é de todo aceitável é querer impor a sua ideologia através da manipulação dos votos, fazendo com que os seus comentários surjam sempre no topo da lista como os mais 'apreciados'!

Para alguém que tanto critica a Venezuela e outros países de matriz Marxista, está a usar a mesma tática de manipular as opiniões, querendo 'controlar' a imprensa como sucede em alguns desses locais.

Tenha um pouco de Vergonha, Pudor e Integridade.

Anónimo Há 6 dias

O problema é que a cada mês que passa desde a mudança do governo o gás vai-se extinguindo até não restar mais nada... E uma vez chegados a esse ponto nem a favorável conjuntura económica mundial vai valer à economia portuguesa tomada de assalto pelas políticas da esquerda lusitana em claro contra-ciclo com as políticas implementadas pelos governos de todo o mundo mais desenvolvido.

Anónimo Há 6 dias

Rapazolas, o Anónimo não tem culpa de vocês terem feito vida de bandidos económico-sociais ao ponto de se ter que chamar a polícia por 3 vezes. E ela volta cá sempre que vocês insistirem em passar dos limites do tolerável. Convençam-se de uma coisa, enquanto vocês não desistirem das associações de malfeitores que criaram com base na Constituição Socialista de 1976, Portugal será sempre o pior, o mais pobre, o mais injusto e o mais dependente entre os melhores, os mais ricos, os mais equitativos e os mais autónomos do mundo desenvolvido. Se Portugal estivesse em África ou na América do Sul, acredito que os vossos perniciosos intentos criminosos teriam margem de progressão. Mas felizmente Portugal é Europa e está inserido na União Europeia. Essa constitui, paradoxalmente e ao invés da versão da Constituição da República Portuguesa em vigor, a maior garantia que Portugal tem para não decair até aos extremos da iniquidade e da insustentabilidade sem retorno a que vocês o querem levar.

Anónimo Há 1 semana

A Constituição Socialista de 1976 nasceu porque o Povo estava farto e descontente com o Governo de DIREITA de Salazar desde 1928. Por isso Portugal virou à ESQUERDA. O resto são conversas de comentadores pagos. Já experimentamos o que vocês tão a vender, e nós NÃO queremos mais, Obrigado.

ver mais comentários
pub