Obrigações Moody's tira Hungria do lixo com "outlook" estável

Moody's tira Hungria do lixo com "outlook" estável

A agência de notação financeira decidiu colocar o rating da dívida soberana de longo prazo da Hungria na categoria de investimento de qualidade.
Moody's tira Hungria do lixo com "outlook" estável
Bloomberg
Carla Pedro 04 de Novembro de 2016 às 21:39

A classificação da dívida soberana húngara regressou à categoria de investimento de qualidade pela mão da Moody’s, num "upgrade" que fez com que o país já não esteja na categoria investimento especulativo junto das três principais agências. Com efeito, depois de a Standard & Poor’s e a Fitch já terem retirado a Hungria do chamado "lixo", já só faltava a Moody’s seguir a mesma via.

 

A justificar esta decisão de subida do rating em um nível, de Ba1 para Baa3, está "o visível compromisso do governo, através dos excedentes primários em cada um dos últimos quatro anos, de reduzir o seu encargo com a dívida", explica a agência de rating no relatório divulgado esta sexta-feira, 4 de Novembro.


A perspectiva ("outlook") da Moody’s para a evolução da qualidade da dívida da Hungria é estável, tal como acontece com a Fitch e S&P (que também colocaram o seu rating no último grau de investimento de qualidade).

 

A Moody’s diz esperar que o recente desempenho económico positivo da Hungria possa ser sustentado nos próximos anos, "ajudando a impulsionar a solidez económica" do país.

 

Esta agência foi, como recorda a Bloomberg, a primeira a colocar a Hungria no patamar de lixo. Aconteceu em Dezembro de 2011, depois de o primeiro-ministro Viktor Orban ter nacionalizado 11 mil milhões de dólares de activos de fundos de pensões privados e ter introduzido a

 

Foi o mesmo que sucedeu com Portugal uns meses antes: a Moody’s foi a primeira a arrastar o seu rating soberano para a categoria de investimento especulativo. Foi em Julho de 2011 e valeu-lhe muitas manifestações de desagrado no país.


(notícia actualizada às 22:11)



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

MARAVILHOSO:noticia que ate os inimigos deste pais vao por certo festejar.Era tao bom ver o nosso pais dar este salto nem que fosse aos solucos mas nessa direcao.Todos os dias somos no pais confrontados com noticias que nos fazem pensar se devemos sair a rua ou ficar em casa:e so angustia e medo.

pub