Política Morais Sarmento: Chega de escolher entre "vem aí o diabo" e "chapa ganha, chapa distribuída"

Morais Sarmento: Chega de escolher entre "vem aí o diabo" e "chapa ganha, chapa distribuída"

O mandatário nacional de Rui Rio à liderança do PSD defendeu hoje que Portugal tem de "ultrapassar a escolha curta" entre o "vem aí o diabo" e o "chapa ganha, chapa distribuída", numa referência a Passos Coelho e António Costa.
Morais Sarmento: Chega de escolher entre "vem aí o diabo" e "chapa ganha, chapa distribuída"
Inês Lourenço
Lusa 29 de novembro de 2017 às 22:52

"Só vale a pena fazer política se prosseguir um sonho e uma visão para Portugal que ultrapasse a escolha curta entre o ‘vem aí o diabo’ e o ‘chapa ganha, chapa distribuída’, que seja razão de motivação dos portugueses e um caminho de verdadeira mudança para o país", defendeu o ex-ministro Nuno Morais Sarmento, na sessão de apresentação da Comissão de Honra de Rui Rio, que decorreu hoje à tarde num hotel em Lisboa.

 

Sarmento disse que, nestas directas, não teve dúvidas em escolher Rui Rio, sobretudo pelas suas qualidades humanas: "É um homem a quem reconheço honestidade, integridade, a coragem, o sentido de missão e de serviço público que considero indispensável para que, na liderança do PSD, o nosso partido recupere a confiança, a credibilidade e uma visão de futuro".

 

"Ano novo, vida nova: não podemos mais limitar o nosso futuro à decisão de um Governo que metade dos dias funciona como um cata-vento e a outra metade como um doente bipolar e ainda acredita que Portugal pode avançar segundo um modelo ultrapassado de luta de classes", criticou.

 

Sarmento defendeu que o PSD é um partido do centro, onde o primado está nas pessoas, e que respeita a iniciativa privada mas garante a igualdade de oportunidades e a defesa dos mais vulneráveis. "Um país em que haja a coragem não de reformar o Estado mas de repensar o que são as funções do Estado, centrando-o apenas nas funções essenciais, que são as funções de soberania e as funções sociais", defendeu, pedindo uma aposta no mar e na língua, que considera as únicas dimensões que tornam Portugal maior que o seu território.

 

Já o presidente da Comissão de Honra, o antigo vice-presidente do partido Paulo Mota Pinto fez questão de sublinhar também a matriz social-democrata do PSD e reiterou o apelo que tem sido feito pelo candidato à liderança Rui Rio. "Temos o dever de tudo fazer para que o nosso partido se apresente aos portugueses com o candidato a primeiro-ministro que não só seja quem traduz a sua identidade social-democrata de sempre como quem melhores possibilidades tem de conquistar o poder", afirmou, considerando que é Rui Rio quem reúne estas duas condições.

 

E reforçou o alerta: "De nada adianta ganhar eleições internas para contentar quadros e aparelhos, se isso de nada servir para ganhar eleições nacionais, perante o voto de todos os portugueses".

 

O PSD escolherá o seu próximo presidente em 13 de Janeiro em eleições directas, com Congresso em Lisboa entre 16 e 18 de Fevereiro. Até agora, anunciaram-se como candidatos à liderança do PSD o antigo presidente da Câmara do Porto Rui Rio e o antigo primeiro-ministro Pedro Santana Lopes.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub