Finanças Públicas Moreira Rato: “Há ainda um longo caminho a percorrer na diminuição da dívida externa”

Moreira Rato: “Há ainda um longo caminho a percorrer na diminuição da dívida externa”

O antigo presidente do IGCP diz que as condições económicas permitem diminuir a dívida externa. Mas realça que ainda “há um longo caminho a percorrer” nesse ponto.
Moreira Rato: “Há ainda um longo caminho a percorrer na diminuição da dívida externa”
Miguel Baltazar/Negócios

João Moreira Rato considera que o maior risco que a dívida portuguesa atravessa continua a ser "o da perda de acesso ao mercado externo", apesar de esse risco ter diminuído com a decisão da S&P na passada sexta-feira. E defendeu, numa audição na Comissão de Orçamento e Finanças que "ainda há um longo caminho a percorrer na redução do stock de dívida externa líquida", o qual dependerá crucialmente de uma estratégia de redução da dívida pública assente numa política que garanta excedentes orçamentais.

 

O antigo presidente do IGCP observou que nos últimos anos as condições económicas têm permitido uma diminuição desse indicador de perto de 120% do PIB em 2014 para valores em torno dos 95% do PIB em 2018. E refere que esse valor compara com os 56% de Itália. Apesar de realçar que há condições para que se continue a reduzir a dívida externa líquida, avisa que se tem de estar preparado em caso de nova recessão, que poderá exigir novo aumento do endividamento público. A Moreira Rato coube ainda a defesa de uma política orçamental que garanta saldos primários significativos. É preciso ganhar margem orçamental, defendeu.

 

Nesse sentido, defendeu a manutenção da almofada financeira, uma estratégia que o IGCP começou a seguir quando Moreira Rato assumiu a presidência da agência, em 2012. E realça que se para se reduzir o rácio da dívida bruta sobre o PIB se o Estado se desfizesse das reservas de liquidez que tem seria uma "descida cosmética" da dívida. Considera essencial analisar o endividamento sempre com base na dívida líquida, isto é, descontada de depósitos do Estado.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub