Política Monetária Morreu Hans Tietmeyer, obreiro do euro e do BCE

Morreu Hans Tietmeyer, obreiro do euro e do BCE

O antigo presidente do banco central alemão, que morreu aos 85 anos, avisou repetidamente para os ajustes dolorosos que os países aderentes ao euro teriam de suportar para que a moeda única funcionasse.
Morreu Hans Tietmeyer, obreiro do euro e do BCE
Reuters
Negócios 28 de dezembro de 2016 às 15:49

Hans Tieitmeyer, antigo presidente do banco central alemão - o Bundesbank - e reponsável pela transição do marco alemão para a moeda única na Alemanha morreu esta quarta-feira, 28 de Dezembro, aos 85 anos.

Tietmeyer teve um papel de relevo ao assumir a estabilidade de preços e a independência como futuros pilares do Banco Central Europeu. Líder do Bundesbank entre 1993 e 1999, Tietmeyer foi um dos impulsionadores do estabelecimento de uma união monetária no espaço europeu, que culminou na introdução do euro em Janeiro de 1999.

Na preparação para a criação da zona monetária, alertou por várias vezes que os países que se juntassem ao euro teriam de sofrer ajustes dolorosos para que a moeda única funcionasse. "Sem uma convergência económica adequada, o caminho até à união monetária será altamente arriscado", afirmou ao Die Welt em Dezembro de 1991, citado pela Reuters.

O responsável acreditava num cenário de estabilidade de preços garantido pela autoridade monetária europeia, cabendo no entanto aos estados-membros implementar as mudanças para aumentar a competitividade das suas economias e da zona euro como um todo.


Tieitmeyer tornou-se ainda, politicamente, um alvo da extrema-esquerda, tendo sobrevivido em 1988 a uma tentativa de assassinato, posteriormente reivindicada pela organização de guerrilha autodenominada Facção do Exército Vermelho (RAF na sigla alemã).


Jean-Claude Trichet, antigo presidente do Banco Central Europeu, afirmou em 2010 que a Europa e a Alemanha têm "imenso a agradecer a Tietmeyer". "Ele esteve determinado em garantir que o euro poderia ser uma moeda estável", acrescentou.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Rado Há 3 semanas

Como pode esta Anónimo em tão poucas palavras dar tanto erro! E atreve-se escrever em lugar público!

Rado Há 3 semanas

Que morram mais deste género. Beneficios para alguns estados e miséria para outros. Nunca ouvi este gajo protestar.

Anónimo Há 3 semanas

Diz o ditado:quem ve caras,nao ve coracoes.Concluimos que so ouveram oportunistas a volta da sua imaginacao.Mas esses oportunistas ja estao praticamente apontados e inevitavelmente terao de sentir na pele o igoismo desprepositado.Sao os da frente para levar guita,encostam-se atraz para Tomar medidas

pub
pub
pub
pub