Orçamento do Estado Mortágua pressiona fim da sobretaxa em Janeiro

Mortágua pressiona fim da sobretaxa em Janeiro

A deputada do Bloco de Esquerda diz que a posição do partido é que "a lei deve ser cumprida", ou seja, a sobretaxa termina "a partir de 1 de Janeiro de 2017".
Mortágua pressiona fim da sobretaxa em Janeiro
Miguel Baltazar

O Bloco de Esquerda defende o fim da sobretaxa no IRS para todos os contribuintes a partir do início do próximo ano.

 

"A posição que temos é a que está na lei. O Orçamento está em negociação, mas a nossa posição de principio é que a lei deve ser cumprida", ou seja, a sobretaxa termina "a partir de 1 de Janeiro de 2017", disse a deputada do partido, Mariana Mortágua, em declarações ao jornal i.

 

Esta posição do Bloco surge depois de o primeiro-ministro e do ministro das Finanças não terem esclarecido se, no próximo ano, a sobretaxa do IRS vai acabar logo no início do ano para todos os portugueses ou se a sua eliminação será gradual ao longo de 2017.  

 

"O Orçamento do Estado vai ser apresentado na sexta-feira. Aí, teremos as respostas para todas as perguntas", afirmou Centeno à saída de uma reunião do Eurogrupo, em declarações transmitidas pela RTP3 a partir do Luxemburgo na segunda-feira.

 

Em causa estava uma pergunta sobre a notícia do Público de sábado que dava conta que o Governo admitia que a sobretaxa do IRS acabava em 2017 mas de forma faseada, adiando para o final do ano a eliminação nos rendimentos mais altos.


Numa outra geografia, na China, o primeiro-ministro António Costa também não quis comentar a possibilidade. "Houve uma redução da carga fiscal em 2016, que vai prosseguir em 2017. A generalidade das famílias portuguesas já não pagou sobretaxa de IRS em 2016 e em 2017 a sobretaxa vai desaparecer totalmente para todas as famílias portuguesas", disse, segundo a Lusa.

 

A lei prevê o levantamento da sobretaxa para todos os abrangidos a 1 de Janeiro de 2017. Esta é uma taxa adicional criada pelo Governo de Passos Coelho e que foi mantida pelo actual Executivo.

 

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos, afirmou numa entrevista à Antena1/Negócios que, no próximo ano, continuará a haver um alívio fiscal sobre a classe média. 




A sua opinião29
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas

alivio fiscal?
mas que alivio fiscal!?
alguém no privado teve alivio fiscal?
podem mentir o que quiserem...! mas alivio fiscal não existiu nem existe!!!

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

É preciso de ter a lucidez suficiente e perder a vergonha de prender os indivíduos que roubam via fiscal.Incapacidade de gerar lucros e assaltar é o paradigma destes senhores.

Ana Rosas Há 3 semanas

A piscar o olhinho aos ricos, Mariana? Agora? Não sei se eles terão memória tão curta...

Luís Castro Há 3 semanas

Palavra dada é palavra honrada.

Anónimo Há 3 semanas

Costa, dá para cá mais 3% e manda os jovens pagar na bomba de gasolina. Olha, e se não tiverem pópó manda-os emigrar e não digas ao Abrunhosa senão ele ainda faz a choradeira II.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub