Europa Moscovici: Catalunha independente "não será membro da UE"

Moscovici: Catalunha independente "não será membro da UE"

O comissário europeu para os Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, afirmou hoje que a Catalunha "nunca será membro da União Europeia" caso promova a secessão de Espanha e se torne num Estado independente.
Moscovici: Catalunha independente "não será membro da UE"
Lusa 05 de outubro de 2017 às 18:31

Ao ser questionado sobre o eventual reconhecimento por Bruxelas de uma Catalunha independente, o antigo ministro francês considerou que "as coisas estão claras aí", e precisou: "Imaginemos que vai haver uma independência, e nessa situação uma Catalunha independente não seria membro da União Europeia".

 

"A União Europeia apenas reconhece um Estado-membro que é a Espanha. Mas estamos no domínio da ficção porque na realidade não existe a independência catalã", acrescentou nas declarações à emissão "Questions d d'info" LCP-franceinfo-Le Monde-AFP.

 

"Não entremos na política ficção", insistiu Moscovici, ao responder à eventualidade de Barcelona se envolver num processo de adesão à UE.

 

O antigo ministro socialista definiu como "questão dolorosa" o braço de ferro entre Madrid e Barcelona, devendo ser "resolvido pelos espanhóis".

 

"Não é em Bruxelas, nem em Paris, nem noutro local que a situação deve ser solucionada", sublinhou, para apelar ao diálogo e à distensão após as "imagens" de violência do fim-de-semana, "que chocam legitimamente".

 

O impasse permanece total entre o Governo espanhol do conservador Mariano Rajoy e as autoridades catalãs independentistas, devido ao referendo independentista de domingo.

 

Nesta consulta, declarada ilegal e suspensa pelo Tribunal Constitucional espanhol, participaram 2,2 milhões de pessoas, num censo de 5,3 milhões (42%), com 90% dos votos a favor da independência, segundo referiu o Governo regional da Catalunha.

 




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

É necessário que Espanha aceite a entrada da Catalunha na UE.

"The EU operates comprehensive approval procedures that ensure new members are admitted only when they can demonstrate they will be able to play their part fully as members, namely by:

-complying with all the EU's standards and rules
-having the consent of the EU institutions and EU member states(....)"

É necessário que Espanha aceite a entrada da Catalunha na UE.

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

É necessário que Espanha aceite a entrada da Catalunha na UE.

"The EU operates comprehensive approval procedures that ensure new members are admitted only when they can demonstrate they will be able to play their part fully as members, namely by:

-complying with all the EU's standards and rules
-having the consent of the EU institutions and EU member states(....)"

É necessário que Espanha aceite a entrada da Catalunha na UE.

Dono dos Burros Há 2 semanas

Meu careca-gay, mais depressa acaba a tua UE, que a luta pela independência do povo catalão.

JCG Há 2 semanas

Isto parece o caso dos casamentos e divórcios humanos. Há 2 pessoas que vivem juntas e se uma delas não quer continuar o casamento tem o direito de divorciar-se, mesmo que o outro não queira. Bom, ainda há situações retrógradas em que não é assim, mas isso é apenas a demonstração de formas de convivência ainda contaminadas por abusos de poder de uma das partes. Aliás, havendo um mínimo de dignidade nas partes cada uma delas só deverá querer viver com a outra se a outra quiser o mesmo. Eu jamais quereria viver com uma mulher que não quisesse viver comigo. No caso de países, nações e comunidades humanas, parece óbvio, especialmente quando há uma clara diferenciação entre duas partes especialmente em termos de sentimento de nação, de língua, de cultura, de tradições de comunidade e territorias, que se uma das partes se quer separar esse direito é legítimo e a outra parte não deve ter direito de veto. Nem exercer represálias no futuro (impedir acesso à UE, coisa de medíocres).

Anónimo Há 2 semanas

Salvo erro, a adesao de um novo membro à UE exige a unanimidade de todos os membros. Claro que a espanha vai se opor.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub