Mundo Moscovici: "Temos que responder às frustrações que levaram a este voto"

Moscovici: "Temos que responder às frustrações que levaram a este voto"

  O comissário europeu para os Assuntos Económicos e Financeiros considera que a Europa precisa de tirar lições da vitória de Donald Trump nos Estados Unidos, porque também no velho continente há concidadãos frustrados com a repartição desigual dos rendimentos.
Moscovici: "Temos que responder às frustrações que levaram a este voto"
Georges Boulougouris/Comissão Europeia
Elisabete Miranda 09 de Novembro de 2016 às 12:07

Durante a conferência de imprensa que acompanhou a apresentação das previsões de outono, Pierre Moscovici diz que "o povo norte-americano elegeu Donald Trump com 45º presidente", que a vitória foi clara, e que, "evidentemente, há expectativas do lado de cá do Atlântico" de que os EUA e a Europa se mantenham como "parceiros fortes". Entre os principais temas a tratar pelos dois blocos económicos estão "a economia, a segurança e as alterações do clima", enumerou o comissário.

 

Mas não é só. Dos EUA chegam também valiosas lições sobre as frustrações de uma parte da população. Também há "muitos dos nossos concidadãos que se sentem excluídos da retoma economia e muitos que tomam certas distâncias relativamente aos seus governos (pelo que) temos de responder a estas preocupações".

 

Desde logo, é preciso "atacar as desigualdades, que afastam os governados dos governantes", diz Moscovici, para quem "isto é urgente". O modo de lá chegar é que não é claro.

 

Questionado sobre as visões políticas diferentes a nível europeu e as tensões que isso gera, o comissário francês diz que "a comissão não é uma comissão social-democrata, é uma Comissão Europeia" e a uni-la tem a vontade de manter fronteiras abertas e aceitar a globalização. 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Desanimado Há 4 semanas

Esta gente do status quo só agora reparou nisso? Não! Já tinham reparado nisso há muito tempo mas estiveram a marimbar-se. É esta gente que está a empurrar os eleitores para para os Trumps e Le Pens deste mundo. Para os eleitores o raciocínio começa a ser pior que isto não pode ser.

Nuno Há 4 semanas

O que levou a este voto e o que levou ao voto do Brexit é que houve hipótese de votar. Já estes comissários de Broxelas caem ali só porque sim. Vergonha são eles e não as decisões democráticas que os outros tomam. Como podemos votar para correr com esta gentalha dali?

Anónimo Há 4 semanas

ENQUANTO PENSAREM SÓ EM DINHEIRO,EM VEZ DE PESSOAS E DAS SUAS NECESSIDADES,CADA VEZ MAIS É O QUE VAI ACONTECER,ATÉ TIRAREM O RABINHO DO PODER.

pub