Economia Moscovici: "Um país que está endividado é um país que se torna pobre"

Moscovici: "Um país que está endividado é um país que se torna pobre"

Em entrevista ao ECO, o comissário europeu reparte os méritos do ajustamento português entre Passos e Costa e avisa que, a liderar o Eurogrupo, Centeno teria de adoptar algumas posições desfavoráveis a Portugal.
Moscovici: "Um país que está endividado é um país que se torna pobre"
Negócios 05 de junho de 2017 às 09:29

A recomendação da Comissão Europeia para retirar Portugal do chamado Procedimento por Défice Excessivo, com a qual o Governo estima que pode poupar 250 milhões de euros por ano em juros, reconhece os "esforços enormes" do país para sair de uma "crise muito séria", justificou o comissário Pierre Moscovici, que espera que o impacto da recapitalização da Caixa Geral de Depósitos não "coloque em risco a correcção do défice de forma duradoura".

 

"Mesmo que haja um ligeiro aumento num ano, ele será corrigido. É justificado recomendar a saída do PDE e seria injusto penalizar o actual governo de Portugal e o povo português por esse momento que é um incidente que não muda o facto de que o défice foi colocado de forma duradoura abaixo dos 3%", resumiu o membro do Executivo comunitário, numa entrevista ao jornal digital ECO em que diz também que Bruxelas não quer "um ajustamento no défice que baixe o crescimento".

 

Moscovici sustentou que o ajustamento português "é uma história de sucesso no sentido em que os esforços necessários foram feitos, a consolidação orçamental está em curso e pode ser acomodada com medidas progressivas e por muitas políticas económicas". E fez questão de repartir os louros entre Passos Coelho e António Costa, que "levaram a cabo políticas diferentes, mas o resultado é que as finanças públicas estão agora numa posição forte".

 

Ainda assim, o comissário de origem francesa aproveitou para deixar dois alertas. O primeiro é que as autoridades portuguesas devem "manter o impulso reformista", dando o exemplo do mercado de trabalho e no sistema de pensões. O argumento é que essas reformas são "[cruciais] para promover o crescimento económico" num país em que "os desequilíbrios existentes são extensos e requerem um plano de médio prazo para os resolver".

 

O segundo aviso, que surge poucos dias depois de o endividamento público bater um novo recorde, é dirigido ao problema do "elevado nível de dívida", sublinhando que "um país que está endividado é um país que se torna pobre". "Se o peso da dívida aumentar cada vez mais, o serviço da dívida fica mais caro e por isso o orçamento para Educação, Justiça, prestações sociais fica mais pequeno. Não se trata de austeridade, mas sim de políticas públicas credíveis e precisamos disso em toda a Europa", concretizou.

 

Questionado nesta entrevista sobre os Eurobonds, Pierre Moscovici repetiu que "não são para hoje", insistindo que a Comissão Europeia não vai "fazer propostas que não sejam razoáveis ou que seriam consideradas aqui ou ali, especialmente na Alemanha, como um sinal vermelho". E confrontado com a hipótese de Mário Centeno suceder ao holandês Jeroen Dijsselbloem, lembrou que "a arbitragem que [um líder do Eurogrupo] precisa de fazer não é necessariamente favorável ao seu próprio país".

"O presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, tem posições diferentes das que tem enquanto ministro das Finanças da Holanda. Por isso, se um dia Mário Centeno, que eu considero muito competente, se tornar presidente do Eurogrupo, deve saber que provavelmente vai ter de assumir por vezes alguma distância da sua actual função. E isto é algo sobre o qual precisamos de reflectir", concluiu.




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

Hoje em dia a UE já faz transferências e concede ajudas e financiamentos aos Estados-Membros menos ricos e desenvolvidos. No futuro, com uma UE federal com um orçamento maior e mais competências políticas a nível federal, mais direitos (como mais transferências para os Estados e economias que têm menos, e mais e melhor cidadania europeia) implicarão ainda mais deveres (como reformas adequadas feitas na íntegra e de forma atempada) para cada Estado-Membro. Esses deveres, tantas vezes referidos por instituições como a Comissão Europeia, o FMI e a OCDE de forma quase informal e geralmente inconsequente, hoje em dia não são cumpridos. Com uma UE federal existirão meios e ferramentas para que as reformas, os deveres, avancem no seu tempo e Estados-Membros como Portugal e a Grécia não se desleixem e atrasem tanto por força dos seus políticos eleitoralistas mais irresponsáveis, dos seus sindicalistas chantagistas mais fundamentalistas e dos seus banqueiros criminosos mais extorsionários.

comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 2 semanas

Não diga essa coisas tao absurads....

TugalÂndia tem DIVIDA ?!?!!?
Com o DESPESISMO dos xuxas geringonços até pensdei que a DIVIDA se tinha EVAPORADO....
Todos a deitar abaixo o "milagre economico" tuguês....

Anónimo Há 2 semanas

Moscovici para não afrontar a família socialista Europeia lá diz meia verdade, ou para se exacto 25% de verdade. E é nisto que a politica enoja..Deixem-se de tretas. A César o que é de César!! O único feito da geringonça foi não ter feito o que prometeu fazer, e que lhes granjeou uma derrota eleitoral!! Não bateu o pé a ninguém, como meteu a viola no saco, calou e embrulhou!! Basta recordar as previsões que tinha no OE de 2016, e o festival que foi de correcções da UE!! Mas os que disso sabem, "incluindo" os deste jornal, calam-se e fingem não ter ocorrido.
Mas a estória não termina aqui. É preciso dizer preto no branco que a divida não só não manteve o ritmo descendente, como inverteu, assim como os juros da divida pública. Costa e a geringonça estão a beneficiar da conjuntara económica internacional, bem como dos inúmeros problemas no médio oriente e norte de Africa. Quando a conjuntura terminar estaremos de sunga rota à vista, porque apenas voltamos atrás em medidas..

Anónimo Há 2 semanas

Claro que sim um país endividado e que continua na mesma só se está a tornar mais pobre,mas os culpados são quem não faz nada para reduzir as despesas e vende a ideia de que o país está melhor.Este país é como uma família que não tem recursos financeiros,mas não abdica de gastar à custa de créditos

jj Há 2 semanas

Ena tás a gozar?? fala com o Kostas que ele resolve....

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub