Finanças Públicas Mourinho Félix: “Uma dívida de 120% é gerível”

Mourinho Félix: “Uma dívida de 120% é gerível”

O secretário de Estado Adjunto e das Finanças defende, em entrevista ao Jornal Económico, que embora a dívida esteja ainda num nível elevado, é gerível. A almofada financeira é para manter e é possível que ainda este ano seja feito um novo pagamento ao FMI.
Mourinho Félix: “Uma dívida de 120% é gerível”
Miguel Baltazar
Negócios 20 de outubro de 2017 às 11:08

"Claro que seria melhor enfrentar os riscos externos com 60% de dívida do que com 120%. Mas, embora seja um nível elevado, é gerível", afirmou ao Jornal Económico o secretário de Estado adjunto e das Finanças. Mourinho Félix salienta que o Governo prevê uma descida da dívida de oito pontos percentuais em dois anos e admite que "enquanto estivermos acima de 100%, obviamente que há aqui uma vulnerabilidade". Ainda assim, as evoluções positivas deverão levar a "boas notícias a relativamente breve trecho de uma das duas [agências de rating] que faltam".

 

Recorde-se que em Setembro a Standard & Poor’s surpreendeu as expectativas do mercado e subiu o "rating" de Portugal de BB+ para BBB-, retirando a nota do país de "lixo". A 15 de Dezembro será a vez de a Fitch vir também dar o seu veredicto e no início de Janeiro de 2018 conheceremos a decisão da Moody’s, sendo que uma e outra melhoraram já a perspectiva para o "rating" de Portugal de estável para positiva.

 

"Quando as duas agências de rating que mantêm Portugal ainda num nível de investimento especulativo passarem para um nível de investimento, Portugal vai entrar num conjunto de índices de dívida soberana internacional. Vai haver compras às cegas", acredita Mourinho Félix.

 

Apesar das boas perspectivas, e de ser expectável que o país possa beneficiar "de taxas de juro relativamente baixas" durante pelo menos um ano", manter-se-á "a estratégia de ter uma almofada financeira que nos permita viver com desafogo, se houver algum evento que cause perturbação nas taxas" de juro, afirma o secretário de Estado. Já acelerar a redução do défice, diz, seria um erro.

 

Também os pagamentos antecipados ao FMI são para manter e Mourinho Félix diz que, "tendo em conta a execução orçamental, é possível que ainda este ano se possa fazer mais um pagamento. Estamos a avaliar." 




A sua opinião18
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG Há 4 semanas

Porra* ponham adultos a tratar destas coisas! este tipo confunde o governo com uma associação de estudantes.
Deixem lá os juros começarem a subir e a taxa média de juros que pagamos pela dívida pública subir 2 ou 3 pontos percentuais (mais 2,5 a 7,5 mil milhões de euros) e termos o orçamento a estoirar e nova intervenção (humilhante) externa. É claro: humilhante para mim que tenho algum brio e dignidade. Para estes rapazolas tudo se reduz a trabalharem para um próximo emprego com multiplicação do actual e anterior salário por 10 ou mais.

comentários mais recentes
JARANES Há 4 semanas

Ó JCG, você não percebeu patavina!
Sabe o que é argumentar pelo absurdo?
Enfim!...

Anónimo Há 4 semanas

Claro que tudo é gerível se forem os outros a pagar. Canalhas tudo na mesma trajetória do LADRÃO44 e continuidade do Bosta em trocar mortes horríveis por votos.

JCG Há 4 semanas

Só mais uma achega. Sabem o que são 2,5 mil milhões de euros?
Por exemplo, daria para pagar 259.000 salários mínimos, incluindo encargos com SS (557 euros mensais x 14 meses + 23,75%).
Eu preferia que esse dinheiro fosse gasto com o pagamento de salários, por exemplo, a trabalhadores que fossem limpar as matas e cuidar das aldeias e dos velhotes que ainda lá vivem.

JCG Há 4 semanas

Os números que deixei aqui não ficaram claros.
Dívida pública actual: cerca de 250 mil milhões de euros.
Taxa de juro média dessa dívida: entre 3% e 4%. É por isso que custa anualmente em juros cerca de 8 mil milhões de euros.
Cada ponto percentual (1%) da taxa de juro representa 2,5 mil milhões de euros em juros anuais.
Portanto, por cada 1 ponto percentual que a taxa de juro média suba serão mais 2,5 mil milhões de encargos anuais em juros.

ver mais comentários
pub