Segurança Social Mudanças no RSI: Governo diz que eliminou travão “ideológico”

Mudanças no RSI: Governo diz que eliminou travão “ideológico”

O Governo eliminou a regra que impedia que famílias com carros, barcos ou aeronaves superiores a 25,3 mil euros tivessem acesso ao RSI. A decisão é justificada com a necessidade de proteger famílias que fiquem sem rendimento, em “pobreza extrema”, apesar de deterem bens desse valor. Ainda que, segundo os dados que apresenta, existam poucos casos.
Mudanças no RSI: Governo diz que eliminou travão “ideológico”
Miguel Baltazar/Negócios

A regra que impedia que famílias com carros, barcos, aeronaves ou outros bens sujeitos a registo com valor superior a 25.279 euros tivessem acesso ao RSI, aprovada pelo anterior governo e agora revogada, era na opinião do actual Executivo uma regra "de forte pendor ideológico" e sem consequências práticas.

Em resposta ao Negócios na sequência das questões colocadas na sexta-feira, o Governo explica que o objectivo da alteração é garantir o apoio a famílias que, apesar de deterem bens móveis daquele montante, possam deparar-se com uma situação de "ausência de rendimento", que se encontrem em situação de "pobreza severa".

"Tratava-se de uma regra de forte pendor ideológico sem consequências práticas efectivas (entre 2012 e 2015 apenas 0,26% dos requerimento de RSI indeferidos, o foram por este motivo)", respondeu fonte oficial do ministério do Trabalho.

"Mesmo que se visse confrontado com uma ausência total ou quase total de rendimentos (muitas vezes resultante de situações de desemprego)" a existência de bens móveis desse valor "determinava não só uma desprotecção social ao nível de mínimos de subsistência, como impedia que esse agregado fosse apoiado na sua inserção social e laboral através de acordos de inserção".   

O Governo sublinha que os serviços de acção social vão continuar a identificar "eventuais situações de agregados familiares que detenham recursos não declarados ou que apresentem sinais exteriores de riqueza".

Contas acima de 25,3 mil euros bloqueiam apoio

Ao mesmo tempo que elimina esta regra, o Governo mantém uma segunda restrição também introduzida pelo anterior governo que travava o acesso à prestação no caso dos agregados familiares que tenham um montante idêntico (25,3 mil euros, o equivalente a 60 IAS) em património mobiliário – depósitos, acções ou obrigações.

O Negócios também perguntou quantas pessoas foram excluídas por causa desta regra, que se vai manter, mas essa pergunta aguarda resposta.

Porque é que se elimina uma restrição e se mantém a das contas bancárias, que é mais apertada do que a que se aplica aos outros apoios sociais (101 mil euros)? Porque é mais fácil recorrer a este dinheiro, responde o Governo.

O património mobiliário "é passível de recurso/utilização imediata" e "não é similar a uma situação de detenção de bens móveis sujeitos a registo mas ausência de rendimento disponível (designadamente de património mobiliário)", justifica fonte oficial.

As alterações foram publicadas na sexta-feira e entraram em vigor este sábado, aplicando-se aos requerimentos que ainda estejam pendentes.

Notícia actualizada às 11:30 com mais informação




A sua opinião24
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 31.07.2017

Substituiu o travão por um acelarador ideológico....

comentários mais recentes
Anónimo 07.08.2017

Existe lá malta mais subsidiada do que os funcionários vitalícios da Função Pública que não são lá precisos para nada ou do que os bancários resgatados semana sim semana não? Ganhem juízo e deixem de extorquir quem é sério e honesto. Dívida pública excessiva, fora de controlo, e tributação agravada, terrorista, têm sempre os mesmos destinatários, mas a factura é paga pelo Estado insustentável, pela economia cada vez menos competitiva e pela sociedade iníqua em que vivemos.

Anónimo 01.08.2017

Este governo ou qualquer outro que crie uma sociedade sem numerário (cashless society) ou a tender para isso, reforme o sistema tributário de acordo com a proposta Automated Payment Transaction tax de Edgar L. Feige e substitua o sistema público piramidal/Ponzi de prestações sociais por um módico Rendimento Básico Universal. Depois terão que despedir no ISS e na AT aos milhares e as firmas de consultadoria fiscal ficarão sem clientela. Estes últimos são aqueles que se dedicam a fazer contas e continhas, com taxas e taxinhas escondidinhas nos labirintos mutantes da "sua" legislação fiscal. Era a melhor política que podiam implementar a favor da sustentabilidade do Estado, da competitividade da economia e da justiça social. Uma troika qualquer ainda vai um dia tratar deste assunto.

fpublico condenado a 48 anos trabalho/descontos 31.07.2017

não admira esta medida

os mouros tb recebiam dinheiro para brincarem na capital como os ciganos

ahah 31.07.2017

Mais uma palermice deste governo, tenho pena pois estão a resolver os problemas do país, défice, desemprego/emprego, aumento de rendimentos, crescimento económico, confiança. Porque carga de agua mexem em medidas boas do governo anterior? Este PS é especialista em dar tiros no pé....

ver mais comentários
pub