IRS Municípios pouparam entre 2 e 120 euros de IRS aos moradores
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
IRS

Municípios pouparam entre 2 e 120 euros de IRS aos moradores

As autarquias podem devolver uma parte do IRS aos seus moradores e, este ano, o valor médio dessa devolução variou entre os 2 e os 120 euros aproximadamente. Se o benefício fosse aproveitado ao máximo, as poupanças poderiam ascender aos 240 euros nalguns concelhos.
Municípios pouparam entre 2 e 120 euros de IRS aos moradores
Cátia Barbosa/Negócios
Elisabete Miranda 12 de junho de 2017 às 00:01

Quanto é que o que o seu município lhe poupou no IRS? Com a chegada dos reembolsos da campanha de 2016/2017, esta é uma pergunta que todos os contribuintes podem ver respondida através da nota de liquidação

)

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 12.06.2017

Os ofertantes de factor produtivo trabalho no mercado laboral devem perceber que quando não existe procura para o tipo de trabalho que têm para oferecer ou quando a oferta desse tipo de trabalho se expande pressionando o preço de mercado para baixo, o Estado, a economia e sociedade não têm a obrigação de se deixarem pilhar para lhes oferecer um tão generoso quanto irrealista nível de vida ambicionado, baseado em expectativas exageradas e fantasiosas. Em alternativa, esses ofertantes até ai tomados por um falso sentido de auto-elegibilidade que o respectivo sindicato ou ego corrompido lhes incute, devem estar dispostos a oferecer trabalho com real procura mesmo que o seu preço de mercado esteja abaixo das suas expectativas pessoais e a criar propriedade intelectual, a empreender ou investir obtendo por essas vias royalties, lucros, mais-valias, dividendos, rendas e juros.

comentários mais recentes
Anónimo 12.06.2017

A boa gestão de recursos humanos num mercado laboral flexível e sempre em mudança, como é norma em todos e quaisquer mercados, é o segredo para a riqueza das nações. "The East Chicago School Board voted to cut 112 employees from its payroll on Monday. The decision on layoffs, which came on a unanimous voice vote, will include teachers at Central High School, Block Middle School, Carrie Gosch Elementary, Harrison Elementary, Lincoln Elementary and Washington Elementary schools, according to the meeting's personnel report." www.chicagotribune.com/suburbs/post-tribune/news/ct-ptb-ec-budget-cuts-june5-0606-20170606-story.html

Anónimo 12.06.2017

Este país tem gente a mais a ganhar demais face ao valor que criará, cria ou criou. Não são portanto de estranhar as falências cíclicas do país, a sua constante dependência e as crises que ele vive.

Anónimo 12.06.2017

Como é que se paga todo o excedentarismo e sobrepagamento em organizações como as da banca de retalho ou da energia? Com recurso a artimanhas como rendas abusivas, subsídios, isenções discricionárias, proteccionismo mafioso e portanto, com recurso à criação de um mercado completamente distorcido. Quem perde são os consumidores, os investidores e os contribuintes. No sector público, santuário que delimita a fronteira entre o mercado e o não mercado, milagrosamente, as forças de mercado não entram porque não conseguem passar a barreira dos sindicatos e dos corruptos. Só entram as troikas e os fundos abutres quando tudo está já à beira do colapso.

Anónimo 12.06.2017

Os ofertantes de factor produtivo trabalho no mercado laboral devem perceber que quando não existe procura para o tipo de trabalho que têm para oferecer ou quando a oferta desse tipo de trabalho se expande pressionando o preço de mercado para baixo, o Estado, a economia e sociedade não têm a obrigação de se deixarem pilhar para lhes oferecer um tão generoso quanto irrealista nível de vida ambicionado, baseado em expectativas exageradas e fantasiosas. Em alternativa, esses ofertantes até ai tomados por um falso sentido de auto-elegibilidade que o respectivo sindicato ou ego corrompido lhes incute, devem estar dispostos a oferecer trabalho com real procura mesmo que o seu preço de mercado esteja abaixo das suas expectativas pessoais e a criar propriedade intelectual, a empreender ou investir obtendo por essas vias royalties, lucros, mais-valias, dividendos, rendas e juros.

Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub