Cultura Museus e monumentos nacionais voltaram a ser grátis aos domingos

Museus e monumentos nacionais voltaram a ser grátis aos domingos

As entradas nos museus, palácios e monumentos nacionais voltam a ser gratuitas aos domingos, a partir de hoje, até às 14:00, como tinha anunciado há um mês, no parlamento, o ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes.
Museus e monumentos nacionais voltaram a ser grátis aos domingos
Mariline Alves
Lusa 02 de julho de 2017 às 12:09

A medida fora suspensa pelo anterior governo, em 2014, altura em que as entradas passaram a ser gratuitas apenas no primeiro domingo de cada mês, durante todo o dia, tendo então a Direcção-Geral do Património Cultural criado um bilhete destinado às famílias numerosas.

A data de regresso da gratuitidade é assinalada hoje, a partir das 10:00, numa visita do ministro da Cultura ao Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, que também marca o primeiro centenário desta instituição.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 02.07.2017

As pessoas precisam de um Estado que seja bom gestor da coisa pública e pessoa de bem. Um Estado que faça boa gestão de recursos humanos despedindo onde e quando é preciso e que saiba investir em bens de capital onde e quando é necessário. Isto é o que Portugal não tem. Isto é o que falta às pessoas. O radicalismo sindical é tão nocivo como o corrupto capitalismo selvagem de compadrio. Quer uns quer outros atiram a coisa pública para os braços dos aproveitadores sem escrúpulos, para os bandidos e para os incompetentes.

comentários mais recentes
Anónimo 02.07.2017

As pessoas precisam de um Estado que seja bom gestor da coisa pública e pessoa de bem. Um Estado que faça boa gestão de recursos humanos despedindo onde e quando é preciso e que saiba investir em bens de capital onde e quando é necessário. Isto é o que Portugal não tem. Isto é o que falta às pessoas. O radicalismo sindical é tão nocivo como o corrupto capitalismo selvagem de compadrio. Quer uns quer outros atiram a coisa pública para os braços dos aproveitadores sem escrúpulos, para os bandidos e para os incompetentes.