Política Na guerra dos legados, Costa lembra a Cristas a dívida herdada na autarquia lisboeta

Na guerra dos legados, Costa lembra a Cristas a dívida herdada na autarquia lisboeta

Num debate quinzenal pontuado pela troca de argumento em torno dos méritos herdados de anteriores executivos, o primeiro-ministro lembrou a líder centrista que "em 2009 estava a reduzir em 40% a dívida herdada na câmara de Lisboa" governada por Carmona Rodrigues, actual apoiante da candidatura de Assunção Cristas à autarquia da capital.
A carregar o vídeo ...
David Santiago 23 de maio de 2017 às 17:27

No debate quinzenal desta terça-feira, 23 de Maio, foi a discussão dos méritos que permitiram a boa fase que o país atravessa a marcar a sessão. Primeiro foi o PSD a trazer à colação a herança recebida pelo actual Governo como decisiva para as mais recentes boas notícias, da diminuição do desemprego à saída do Procedimento por Défices Excessivos (PDE), passando pelo crescimento económico no primeiro trimestre.

 

Seguiu-se a resposta do PS, que puxou para si e para a actual governação os méritos dos dados económicos positivos alcançados. A presidente do CDS, Assunção Cristas acusou depois o primeiro-ministro de ter "memória curta", por não ter referido o "malfadado engenheiro [José] Sócrates" e o défice de 11,2% deixado pelo último Governo socialista.

 

A deputada centrista, e também candidata do CDS à câmara de Lisboa, disse depois que as equipas de Sócrates e de Costa nem são muito diferentes. Há "40% de coincidência entre ministros e secretários de Estado" entre os Governos de Sócrates e Costa, apontou Cristas.

 

"Também tenho muito orgulho do que estava a fazer em 2009. Estava a reduzir em 40% a dívida herdada na câmara de Lisboa", disse o primeiro-ministro recordando que foi este o legado deixado "por um seu conhecido apoiante. António Costa referia-se a Carmona Rodrigues, que acusou de ter deixado a autarquia numa situação de "ruptura financeira e política".

 

Antes Assunção Cristas já tinha feito outras críticas à governação de António Costa. A líder centrista mostrou satisfação pela saída do PDE e salientou que o que "importa é não voltarmos" ao braço correctivo da Comissão Europeia.

 

Para isso, Cristas pediu ao Governo para aprovar "orçamentos realistas e não orçamentos que vivam de cativações, que não vivam de cortes brutais do investimento público".

 

António Costa foi curto na resposta. "As cativações permitem uma gestão equilibrada e prudente", começou por explicar para depois lembrar a líder centrista do histórico de orçamentos rectificativos aprovados pela anterior maioria em quatro anos de governação. "Rectificativos resultam de uma gestão imprudente", sustentou salientando que as cativações permitiram assegurar o "controlo da despesa". 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Conselheiro de Trump 23.05.2017

Nunca disse como arranjava o dinheiro para a 2000 funcionario publicos que foram dispensados e mandados para os arrabaldas da cidade intochicada.Ainda esta por nascer a RAPOSA em que o dono do galinheiro possa confiar.

Receberam ainda o dinheiro pelos terrenos do Aerop 23.05.2017

Este primeiro ministro é um homem demagogo. A divida da câmara de lisboa, vem do tempo de João Soares que era representante do PS. Deram dinheiro para a fundação Mário Soares que não serviu para nada, só para sacar dinheiro dos nossos impostos e não conseguiram baixar a divida

A herança dos bancos e destruição do Pais. 23.05.2017

Se não fossem corridos o que seria hoje o País ? A receita dos últimos 4 anos a vender o País a retalho e as empresas ainda bem que foram corridos,a sorte foi termos uma geringonça que estão fazendo bom trabalho.e vai continuar, ex,votante do PSD com meu voto não mamam mais são mentirosos

pub
pub
pub
pub