Política "Não há neonazis bons", diz líder republicano de Senado dos EUA a Trump

"Não há neonazis bons", diz líder republicano de Senado dos EUA a Trump

O líder republicano do Senado norte-americano, Mitch McConnell, declarou esta quarta-feira que "não há neonazis bons", depois de o Presidente, Donald Trump, ter afirmado que entre os supremacistas brancos que marcharam no sábado em Charlottesville, Virgínia, havia "gente boa".
"Não há neonazis bons", diz líder republicano de Senado dos EUA a Trump
Bloomberg
Lusa 16 de agosto de 2017 às 19:05

McConnell, que nas últimas semanas tem sido alvo de duras críticas de Trump, demorou mais de 17 horas a reagir às polémicas declarações de terça-feira do Presidente norte-americano, em que este disse que a culpa da violência ocorrida em Charlottesville era tanto dos supremacistas brancos, de extrema-direita, como dos manifestantes antirracistas de esquerda.

 

"Não podemos ter qualquer tolerância com uma ideologia de ódio racial. Não há neonazis bons, e aqueles que partilham das suas ideias não apoiam os ideais e liberdades norte-americanos. Todos temos uma responsabilidade de denunciar o ódio e a violência, onde quer que estes ergam a sua malévola cabeça", afirmou McConnell em comunicado.

 

O senador, que não mencionou Trump, reagiu também à notícia de que vários grupos supremacistas brancos estão a programar uma marcha em Lexington, no Kentucky, o Estado que ele representa, para protestar contra os planos de remover dois monumentos do grupo favorável à escravatura na guerra civil do país (1861-1865).

 

"Os supremacistas brancos, KKK (membros do Ku Klux Klan) e grupos neonazis que levaram o ódio e a violência a Charlottesville estão a planear agora uma marcha em Lexington. As suas mensagens de ódio e intolerância não são bem-vindas no Kentucky e não deveriam ser bem-vindas em nenhum lugar dos Estados Unidos", sustentou.

 

Pouco antes de a reacção de McConnel ser divulgada, uma fonte do seu gabinete disse à estação televisiva CNN que o senador estava "incomodado" com as declarações de Trump, mas preocupava-o que criticar o Presidente desencadeasse uma possível "represália" por parte dele.

 

Trump está frustrado com McConnell devido ao fracasso da tentativa republicana de substituir o sistema de saúde implantado pelo seu antecessor, Barack Obama, e, na semana passada, responsabilizou directamente o senador pela incapacidade do partido para aprovar uma nova lei de saúde no Senado.

 

A reacção de McConnell vem juntar-se à de outros influentes parlamentares republicanos, como o presidente da Câmara de Representantes, Paul Ryan, e os senadores John McCain e Marco Rubio.

 

A eles se juntou também hoje o senador republicano Lindsay Graham, que advertiu Trump de que as suas palavras "estão a dividir os norte-americanos" e rejeitou a "equivalência moral" que o chefe de Estado estabeleceu entre supremacistas brancos e manifestantes antirracistas.

 

"Muitos republicanos discordam e lutarão contra a ideia de que o partido de Lincoln dê as boas-vindas aos David Dukes deste mundo", afirmou Graham, referindo-se ao ex-líder do KKK, que na terça-feira elogiou Trump por este ter condenado os "terroristas de esquerda".

 

Um neonazi foi detido por ter atropelado mortalmente, no passado sábado, uma mulher, ao investir com o seu veículo contra um grupo de manifestantes antifascistas que protestava contra a marcha de supremacistas na cidade universitária de Charlottesville.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub