Defesa NATO quer reforçar presença no Atlântico Norte e conta com Portugal

NATO quer reforçar presença no Atlântico Norte e conta com Portugal

A NATO quer reforçar a presença naval no Atlântico Norte em resposta ao "aumento das actividades russas" na região e conta com Portugal para desempenhar um "papel-chave", afirmou um porta-voz da Organização.
NATO quer reforçar presença no Atlântico Norte e conta com Portugal
Reuters
Lusa 07 de setembro de 2017 às 23:39

"Tem havido um aumento da actividade russa marítima no Atlântico Norte. Isso não é necessariamente indicador de hostilidade mas não é mau se tivermos uma melhor compreensão do que se está a passar", disse Piers Cazalet, num encontro com jornalistas, na sede da NATO, em Bruxelas.

 

O responsável afirmou que a posição geográfica e a "tradição marítima" de Portugal podem conferir ao país "um papel-chave em termos de desenvolver esta política e também em termos de contribuir para as capacidades" marítimas da Aliança.

 

"A longo prazo", acrescentou, pode haver da parte da NATO "pedidos no âmbito do planeamento [da Organização] para que os países membros aumentem as suas capacidades marítimas".

 

Piers Cazalet considerou que a nova estratégia não contribui "necessariamente" para um eventual aumento de tensão com a Rússia.

 

Para a NATO, disse, o objectivo de reforçar a presença no Atlântico Norte é "uma resposta normal da Aliança para manter abertas as linhas de segurança e defesa entre os EUA e a Europa" e "monitorizar melhor o que se passa no Atlântico Norte".

 

O reforço das capacidades marítimas da NATO após anos de investimento mais focado nas operações terrestres, e uma "maior atenção ao Atlântico Norte", a par do Mar Egeu, do Báltico e do Mar Negro, mereceu "um consenso" entre os países da Aliança, subscrito por Portugal, disseram outras fontes da Organização.

 

Esta orientação está a ser trabalhada actualmente no seio da Aliança Atlântica, que deverá tomar decisões sobre a forma de concretizar este reforço em Fevereiro do próximo ano, podendo implicar alterações na estrutura de comando da Organização, segundo as mesmas fontes.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Andam sempre a reboque dos acontecimentos. Essa merda já devia estar mais que controlada há décadas. Comparados com os rivais estes gajos são uns desleixados negligentes!

pub