União Europeia Nem Estados Unidos da Europa nem desintegração. Barroso antecipa um meio-termo para a UE

Nem Estados Unidos da Europa nem desintegração. Barroso antecipa um meio-termo para a UE

O actual chairman da Goldman Sachs International considera que a economia do euro está nos primeiros estágios de uma recuperação que "não será espectacular".
Nem Estados Unidos da Europa nem desintegração. Barroso antecipa um meio-termo para a UE
Bloomberg
Rita Faria 10 de outubro de 2017 às 13:20

Durão Barroso, antigo presidente da Comissão Europeia, não acredita na criação de uma espécie de Estados Unidos da Europa, mas também não antecipa qualquer desintegração do bloco regional. A UE deverá, em vez disso, fazer progressos em direcção a uma maior integração, especialmente impulsionada pelo eixo franco-alemão.

 

"Penso que vamos ver alguns progressos na integração europeia, nomeadamente no que diz respeito à União Económica e Monetária, segurança e controlo das fronteiras", afirmou o responsável, no balanço do primeiro ano como chairman da Goldman Sachs International. "Não acredito que vamos ter os Estados Unidos da Europa num futuro previsível. Mas acredito que aqueles que previram, e continuam a prever, a desintegração da Europa estão errados. Será um meio-termo".

 

Durão Barroso sublinhou que o Reino Unido é um dos países "mais importantes da Europa" e o resultado do referendo não foi bom para a Europa. No entanto, não deu origem "à onda de populismo e extremismo que muitos antecipavam".

 

Pelo contrário, o antigo primeiro-ministro português sublinhou que França tem agora o presidente mais pró-europeu de sempre, que poderá trabalhar em conjunto com a Alemanha para garantir o bom funcionamento da UE. "Basicamente estou confiante em relação ao futuro da União Europeia, não apenas em termos económicos, mas também políticos", concluiu.

 

Sobre a evolução da economia da Zona Euro, Durão Barroso afirmou que estamos nos primeiros estágios de uma recuperação "que não vai ser espectacular". "Não somos uma economia emergente, por isso vai ser um crescimento moderado", concretizou.

 

No entanto, Barroso sublinha que "há questões que ainda têm de ser resolvidas", como a situação de Itália e em que medida o compromisso para a reforma de Macron, em França, se traduz em resultados concretos.

 

O actual chairman do braço europeu do Goldman Sachs mostrou-se ainda preocupado com a situação na Coreia do Norte, cujo líder "ilegítimo e completamente irresponsável" ameaça a paz mundial. "É um foco de tensão não só para a região mas para todo o mundo", concluiu.

 




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Flop Há 1 semana

Não é carne..... mas também não é peixe...bla bla bla...Nim Nim Nim

SALAZAR Há 1 semana

PENSAVA QUE ESTE GRANDE CORRUPTO E TRAIDOR NACIONAL E INTERNACIONAL JÁ SE TIVESSE EVAPORADO... MAS AFINAL TAMBÉM CONTINUA POR AÍ PARA DIZER E FAZER PORCARIA. QUANDO É PRESO ESTE E OS DEMAIS DO SEU GANGUE? ARNAUT, RELVAS, MARTINS DA CRUZ E MAIS UNS MILHARES...-

Bernardo Ribeiro Há 1 semana

em vez de andar a mandar bitaites, seria melhor que fosse para casa que está lá a fazer muita falta

Phil31 Há 1 semana

Grande Barroso, menosprezado no seu país (nada de novo, acontece com tantos) mas apreciado lá fora.

ver mais comentários
pub