Américas Nicolas Maduro rejeita sanções norte-americanas

Nicolas Maduro rejeita sanções norte-americanas

O Presidente da Venezuela rejeitou na segunda-feira as sanções que lhe foram impostas pelos Estados Unidos, na sequência da eleição da Assembleia Constituinte no domingo.
Nicolas Maduro rejeita sanções norte-americanas
Reuters
Lusa 01 de agosto de 2017 às 07:39
"Não obedeço a ordens imperialistas, não obedeço a governos estrangeiros, sou um Presidente livre", declarou Nicolas Maduro, numa reação à decisão norte-americana de congelar todos os bens que o chefe de Estado venezuelano possua nos Estados Unidos.

A decisão foi anunciada algumas horas antes pelo secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, que apelidou Maduro de "ditador".

A convocatória para a eleição foi feita a 1 de Maio por Maduro, com o principal objectivo de alterar a Constituição em vigor, nomeadamente os aspectos relacionados com as garantias de defesa e segurança da nação, entre outros pontos.

A oposição venezuelana acusa o Presidente de pretender usar a reforma para instaurar no país um regime cubano e perseguir, deter e calar as vozes dissidentes.

Pelo menos dez pessoas morreram no domingo em protestos contra a eleição da Assembleia Constituinte.

Na segunda-feira, a procuradora-geral da Venezuela, Luísa Ortega Diaz, informou que 121 pessoas perderam a vida e 1.958 ficaram feridas desde 1 de Abril, quando começaram os protestos contra o Governo de Maduro.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 01.08.2017

E se o português Guterres fosse pro carv@lho? saiu cá uma encomenda.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub