Emprego No mapa europeu do desemprego Portugal já está abaixo da média

No mapa europeu do desemprego Portugal já está abaixo da média

Pela primeira vez em 11 anos a taxa de desemprego em Portugal é inferior à média da Zona Euro. Confira os dados de todos os países no mapa.
Rita Faria 05 de agosto de 2017 às 12:00

A taxa de desemprego na Zona Euro fixou-se em 9,1% em Junho, o valor mais baixo desde Fevereiro de 2009. Este valor, divulgado esta segunda-feira, 31 de Julho, pelo Eurostat, compara com a taxa de desemprego de 9,2%, em Maio, e de 10,1% no mesmo mês do ano passado.


Em Portugal - e tal como o INE revelou na semana passada - a taxa de desemprego terá caído de 9,2%, em Maio, para 9% em Junho, o que significa que o país ficou abaixo da média dos parceiros do euro pela primeira vez em mais de 11 anos. É preciso recuar até Fevereiro de 2006 para encontrar um mês em que a taxa de desemprego em Portugal tenha sido inferior à média da região da moeda única (8,8% na Zona Euro e 8,6% em Portugal). 

Na União Europeia, a taxa de desemprego manteve-se em 7,7% em Junho, o mesmo valor registado em Maio, que é o mais baixo desde Dezembro de 2008. 

 

O gabinete estatístico da União Europeia estima que, em Junho, havia 18,725 milhões de pessoas sem trabalho na região, das quais 14,718 milhões na Zona Euro.

 

Comparando com o mês anterior, o número de pessoas desempregadas desceu em 183 mil na União Europeia e em 148 mil na região da moeda única. 

 

Como ler os mapas: Ao passar o cursor pelos vários países, vê a taxa de desemprego relativa ao período mais recente (neste caso Junho de 2017). Ao seleccionar um país, vê o gráfico  da evolução da taxa nos meses mais recentes. Pode ainda alterar a legenda, para ver apenas os países que apresentam valores para o intervalo definido. Para isso tem que arrastar o cursor, que se situa a vermelho na parte inferior da legenda.

A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado saraiva14 05.08.2017

Com os ordenados que cá se pagam Portugal devia ter estar no fundo da lista do desemprego! A taxa de desemprego devia ser ZERO!

comentários mais recentes
ZE 08.08.2017

já muitos emigraram, além de que o estado é o maior empregador nacional. se aumentar as vagas na função publica o desemprego diminui, mas aumenta os custos para o povo.

Joao Guimaraes 06.08.2017

Ora isto só foi possível porque o governo da geringonça, deu, a partir deste Agosto, 4 € aos reformados que ganham até 631€/mês, acabou com as 40 h para os funcionários(para quem 30h já era fazer cera) e porque aumentou os combustíveis. Afinal governar é fácil! Sem Passos, o desemprego já era zero!

Anónimo 05.08.2017

Isto é uma espécie de vaca a voar: A criação de empregos nunca foi tão baixa e o desemprego a baixar. Estarão as pessoas a morrer nos hospitais e não contadas?

Anónimo 05.08.2017

E o número de empregados ? Seria bom ter esse valor para comparar. É que esse também diminuiu

ver mais comentários
pub