Economia Nobel da Economia atribuído ao norte-americano Richard H. Thaler

Nobel da Economia atribuído ao norte-americano Richard H. Thaler

A Real Academia das Ciências Sueca anunciou esta manhã a atribuição do Prémio Nobel das Ciências Económicas a Richard H. Thaler, que foi distinguido devido ao estudo na área da economia comportamental.
A carregar o vídeo ...
António Larguesa 09 de outubro de 2017 às 10:50

A Real Academia das Ciências Sueca anunciou esta segunda-feira, 9 de Outubro, a atribuição do Prémio Nobel das Ciências Económicas a Richard H. Thaler, justificando esta decisão pelo contributo do académico norte-americano para a investigação na área da economia comportamental.

 

Nascido em 1945 em Nova Jérsia, nos Estados Unidos, Richard H. Thaler é doutorado pela Universidade de Rochester e dá aulas na Universidade de Chicago desde 1995. A economia comportamental e a psicologia da tomada de decisão são as áreas de estudo deste investigador norte-americano, que vai receber um prémio de nove milhões de coroas suecas, equivalente a perto de um milhão de euros.

 

"As contribuições de Richard Thaler construíram uma ponte entre a economia e a análise psicológica da tomada de decisão individual. (…) As suas descobertas empíricas e as suas ideias teóricas têm sido instrumentais na criação de uma área nova e de crescimento rápido [relacionada com a] economia comportamental, que teve um profundo impacto em várias área da investigação e da política económica", referiu o porta-voz da academia sueca.

Co-autor do "best-seller" global Nudge, editado em 2008 e que é apresentado como um livro em que "os conceitos da economia comportamental são usados para abordar muitos dos maiores problemas da sociedade", o 79.º premiado com o Nobel da Economia investiga "as implicações de relativizar as suposições económicas padrão de que todos na economia são racionais e egoístas, abordando a possibilidade de alguns dos agentes da economia por vezes serem apenas humanos", resume a página de apresentação da universidade onde trabalha.

 

Na nota de imprensa emitida pela Real Academia das Ciências Sueca, referente à 49.ª edição do Nobel económico, é destacado ainda que, ao explorar as consequências da "racionalidade limitada", das "preferências sociais" e da "ausência de autocontrolo", Richard H. Thaler "mostrou como esses traços humanos afectam sistematicamente as decisões individuais, assim como os resultados do mercado".

 


Com a designação oficial de "Prémio Sveriges Riksbank em Ciências Económicas em Memória de Alfred Nobel", este prémio é financiado pelo banco central sueco e foi instituído apenas em 1968, ou seja, não faz parte do grupo original de distinções criadas no final do século passado pelo químico e inventor sueco. Os economistas americanos têm dominado este prémio anual, representando quase metade do total dos distinguidos, segundo as contas feitas pela agência Reuters.

 

Este ano, o prémio da Economia é também o último a ser divulgado. Na semana passada, a Campanha Internacional para a Abolição de Armas Nucleares (ICAN, em inglês) venceu o Nobel da Paz, atribuído pelo comité norueguês. Kazuo Ishiguro venceu a distinção literária; na Química foi premiado o trabalho de três investigadores "para a compreensão da química da vida" e para chegar a novos medicamentos"; outro trio de cientistas foi premiado na Física por descobertas sobre ondas gravitacionais; na Medicina foram reconhecidas descobertas relativas aos mecanismos moleculares que controlam o ritmo circadiano.

 

 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Helder Há 2 semanas

Que pena o Nobel não ser cá. Tal como os jogos da santa casa, 20% seriam para o Estado. Uns generais já podiam estar mais um mês sem fazer nenhum

pub
pub
pub
pub