Economia Nos Jerónimos, voltou a ouvir-se “Soares é fixe”

Nos Jerónimos, voltou a ouvir-se “Soares é fixe”

Passava pouco da uma da tarde quando o cortejo fúnebre do ex-Presidente da República chegou a Belém. Foi recebido com um forte aplauso pelos populares que ao longo da tarde têm esperado numa longa fila para prestar uma última homenagem.
Nos Jerónimos, voltou a ouvir-se “Soares é fixe”
Bruno Simão/Negócios
Filomena Lança 09 de janeiro de 2017 às 15:44

O slogan que marcou a campanha presidencial de Mário Soares em 1986 voltou a ouvir-se esta segunda-feira, 9 de Janeiro, em frente ao Mosteiro dos Jerónimos onde o corpo do ex-Presidente da República se encontra em câmara ardente até amanhã, 10 de Janeiro, dia em que se realizará o funeral. Centenas de pessoas aguardavam e foi no meio de um forte aplauso que a urna foi retirada do armão puxado a cavalos e entrou no Mosteiro, ao som da Marcha Fúnebre tocada pela banda da GNR.

 

No final, uma voz no meio da multidão gritou "Soares é Fixe" e várias outras se lhe juntaram numa homenagem ao antigo Presidente. Do lado de lá das baias colocadas pela polícia para impedir a passagem agitavam-se algumas bandeiras e viam-se alguns cravos vermelhos no ar.

 

À entrada do Mosteiro, Marcelo Rebelo de Sousa – à chegada de quem, poucos minutos antes, se ouvira o Hino Nacional –, Ferro Rodrigues e Maria Manuel Leitão Marques aguardavam também a chegada do cortejo, cumprimentando a família do ex-Presidente.

 

Marcelo Rebelo de Sousa saiu cerca de meia hora depois e ao início da tarde as portas abriram-se a quem queira prestar uma última homenagem ao antigo Presidente. Antes é preciso percorrer uma fila, passar por um detector de metais e deixar à entrada as flores que são depois colocadas numa outra sala preparada para o efeito.

 

Entretanto, várias figuras públicas visitaram já o Mosteiro, conduzidas pelo pessoal de apoio do Ministério dos Negócios Estrangeiros, encarregue do protocolo. No que respeita à comunicação social, à Sala dos Azulejos, onde decorre o velório, apenas têm acesso as câmaras da RTP e alguns fotógrafos da agência Lusa.

Logo pelas dez da manhã o cortejo fúnebre passou pelo Campo Grande, junto à casa onde Soares viveu e atravessou a cidade até à Praça do Município, onde a urna foi trasladada do carro funerário onde seguia para um armão da GNR puxado por quatro cavalos brancos e enfeitado com rosas amarelas.

 

Já aí um grupo de pessoas esperava, juntamente com o Presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, os vereadores, deputados municipais e presidentes de junta da cidade. Ladeado por 84 cavalos da GNR, o armão seguiu depois para a Ribeira das Naus e para Belém.

 

O funeral está marcado para terça-feira, 10 de Janeiro, pelas 15:30 no cemitério dos Prazeres, em Lisboa. Até às 11 da manhã será ainda possível prestar homenagem a Soares nos Jerónimos. 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas


PS vai receber donativos dos clientes do BES a quem fez um favor milionário, pago pelos portugueses!

BES

PS rouba 270 milhões de €, aos trabalhadores e pensionistas... para dar a alguns amigos "especiais".

comentários mais recentes
JARANES Há 2 semanas

O VERDADEIRO SOCIALISMO
Ficamos a saber pela voz da filha de Mário Soares que este tinha por hábito deslocar-se a França, levando com ele desvalidos das zonas pobres de Lisboa e levava-os a almoçar e jantar nos restaurantes chiques de Paris e fulaneava com eles pelo Cartier Latin.
Tudo muito chique e muito socialista.

Resposta de JARANESa JARANES Há 2 semanas

digo, Quartier Latin.

Cardosao Há 2 semanas

Deveria ser uma gravação de algum disco a precisar de restauro.

Gatunos Há 2 semanas

De facto é surreal ver um ateu como Mario Soares a entrar num Mosteiro , agora só falta ver um bispo ou o cardeal a dizer missa e a fazer o funeral de desse "ateu" confesso .
Também sou um ateu confesso e quando chegar a minha hora não quero nada com religiões, para mim exijo um funeral sem missa, sem padres ou quem quer que seja ligado a uma religião, só assim se é coerente tanto em vida como na morte.

Escarro Há 2 semanas

Vai com o Diabo e não voltes. Já bebi o champanhe.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub