Economia Notários querem fazer casamentos, divórcios e escrituras electrónicas

Notários querem fazer casamentos, divórcios e escrituras electrónicas

Os notários vão negociar com o Governo poderem fazer casamentos e divórcios quando não haja filhos menores e criar serviços como a escritura pública digital, disse à Lusa o bastonário da Ordem.
Notários querem fazer casamentos, divórcios e escrituras electrónicas
Kiyoshi Ota/Bloomberg
Lusa 01 de fevereiro de 2018 às 13:37

Jorge Silva afirmou que essas são algumas das propostas em cima da mesa na discussão que começou na quinta-feira com uma reunião com a secretária de Estado da Justiça, Anabela Pedroso.

 

Os notários propõem-se assumir várias tarefas novas actualmente a cargo de outros serviços judiciais e consideram que a digitalização de serviços para evitar deslocações é uma prioridade, salientou.

 

Com uma "escritura pública electrónica", os notários poderiam prestar serviços a pessoas em pontos diferentes do país e até no estrangeiro com os intervenientes a identificarem-se com a certidão digital dos seus cartões de cidadão.

 

Propõem-se ainda ser os notários a legalizar documentos como procurações e contratos enviados para o estrangeiro, um serviço que actualmente é feito pelo Ministério Público, apesar de as procurações e contratos serem elaborados nos notários.

 

A lógica é tornar mais rápidos os serviços e oferecer mais alternativas aos cidadãos, aproveitando uma rede que é de gestão privada, mas já faz serviço público, referiu.

 

Os notários, através da Ordem, pagaram uma plataforma digital que já está criada e pronta a utilizar, indicou, acrescentando que com "um investimento reduzido" poderão assumir as novas tarefas, que compensarão e criarão mais postos de trabalho.

 

Governo e Ordem vão reunir-se novamente este mês, representados por grupos de trabalho.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 01.02.2018

Acho bem. Pela liberalização dos mercados.

pub