Ásia Nova estimativa sobe para 170 mil milhões de euros custo de desmantelar e limpar Fukushima

Nova estimativa sobe para 170 mil milhões de euros custo de desmantelar e limpar Fukushima

O custo estimado para desmantelar a central nuclear japonesa de Fukushima, compensar residentes e descontaminar o ambiente após o acidente de 2011 ultrapassa os 20 biliões de ienes (170 mil milhões de euros), informou a estação pública NHK.
Nova estimativa sobe para 170 mil milhões de euros custo de desmantelar e limpar Fukushima
Lusa 01 de Dezembro de 2016 às 07:24
O valor representa também cerca do dobro do estimado no fim de 2013 pelo Ministério da Indústria (Meti) do Japão.

A operadora da central Fukushima Daiichi, a Tokyo Electric Power (Tepco), tinha inicialmente indicado que só o desmantelamento e os trabalhos no local iriam custar cerca de 2 biliões de ienes, mas na nova avaliação governamental, o montante é quatro vezes superior: 8 biliões (cerca de 70 mil milhões de euros), segundo a NHK.

Os mesmos valores referidos pela estação pública japonesa foram publicados pelo diário Nikkei.

Será preciso pelo menos três a quatro décadas para recuperar o combustível fundido em três unidades e limpar as zonas afetadas.

Um comité de peritos mandatados pelo Governo tinha já em Outubro dito que o custo do desmantelamento "vai ultrapassar largamente os 2 biliões de ienes".

O comité e o Meti não deram dados oficiais actualizados entretanto, mas poderão publicá-los na próxima reunião este mês.

"As discussões (sobre os custos e a sua repartição) vão continuar ainda no próximo ano", disse por telefone à AFP um porta-voz do Meti.

A 11 de Março de 2011, um sismo de magnitude 9 na escala de Ritcher e o tsunami que se seguiu devastaram o nordeste do Japão, fizeram mais de 18 mil mortos e provocaram graves danos na central de Fukushima Daiichi, desencadeado a pior crise nuclear desde Chernobil, na Ucrânia, em 1986.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub