Economia Nova lei das rendas é "inconstitucional" e "vai provocar desemprego"
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Nova lei das rendas é "inconstitucional" e "vai provocar desemprego"

Entrada em vigor só deverá acontecer em Outubro. Até lá, o Governo vai ainda ter de adaptar vários diplomas legais.
Filomena Lança 03 de junho de 2012 às 23:30

Mal o Parlamento acabou de votar favoravelmente o novo pacote de leis da )

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião19
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
doente 04.06.2012

Sou proprietário por herança e não por opção, mas sinceramente preferia não ser... Tenho cerca de 12 inquilinos a pagar 3€ de renda minima...e tenho inquilinos a pagar 35€ de renda máxima ... as obras /manutenções obrigatorias, que realmente são necessárias, não fujo a elas, mas as rendas nao chegam para as pagar...já nem falo no IMI.
Por isso nao brinquem, as rendas tem de subir ! É uma questao social também para com muitos proprietários que sao forçados a fazer caridade ha muitos anos, muitos deles sem rendimentos para tal !
Muitas familisa investiram no passado para deixar algo aos filhos e apenas lhe deixaram foi fonte de despesa e dores de cabeça ! É imoral isto continuar assim.

Claro que ha questopes sociais de inquilinos, mas o estado teve 30 anos para preparar isso e ainda tem mais algum tempo, chega de sugar os proprietários que já nada tem, a nao ser uma tórica posse de um bem que só dá despesa e dores de cabeça !

Anónimo 04.06.2012

Este patifes em vez de porem o estado e autarquias a construirem casas de luxos para os amigos (tipo epul) que façam casas a custos verdadeiramente controlados para que precisa. Isto sim é o papel do estado ou seja todos nos.
A estes gajos só dá vontade de partir a........

Anónimo 04.06.2012

Vai ser engraçado ver a quantidade de casas vazias...Se não houver bom senso, em vez de 100 muitos vão passar a receber 0. Mas vão continuar a pagar impostos.

Anónimo 04.06.2012

andas fora da realidade. Então defendes a usura que os bancos fazem ás familias deixando-as na rua com filhos e sem dinheiro para comer?
Não tens olhos para os roubos de que somos vitimas todos os dias, feitos pelos bancos que alteram as regras sempre que querem? achas justo os grandes lucros á custa do povo? foram eles que meterem o dinheiro pelos olhos aos que os procuravam para terem uma casa própria. E se não concordas procura hoje alugar uma casa por mais bera que ela seja!. Se conseguires dou-te os parabéns.
as pessoas são donas daquilo que é seu mas nunca se soube que algum inquilino tivesse roubado as casas que aluga.
olha eu não sou inquilina, mas graças a Deus também não fui pedir dinheiro aos usurários. falo porque compreendo uns e outros e salvo raras exceções não tenho pena dos senhorios. Se eles estivessem mal de vida, vendiam há-os que têm quarteirões inteiros de imóveis em boas avenidas de Lisboa. Muita coisa eu poderia argumentar, mas já vi que não vale a pena. Mesmo assim aconselho-te uma pequena pesquisa pelo mercado e veras que tenho razão

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub