Mundo Nova Zelândia vai proibir venda de casas construídas a estrangeiros em 2018

Nova Zelândia vai proibir venda de casas construídas a estrangeiros em 2018

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, anunciou hoje que vai ser proibida a venda de casas já construídas a estrangeiros no início do próximo ano, de modo a travar o aumento dos preços da habitação.
Nova Zelândia vai proibir venda de casas construídas a estrangeiros em 2018
Lusa 31 de outubro de 2017 às 08:38

O anúncio foi feito em conferência de imprensa após um reunião do seu gabinete, que prestou juramento na quinta-feira após eleições em que a sua formação, o Partido Trabalhista, fez campanha contra a especulação imobiliária estrangeira.

 

Segundo Ardern, o objectivo da medida, partilhado pelos parceiros de coligação, New Zealand First e Verdes, é evitar que especuladores estrangeiros comprem imóveis existentes no país e tornar a compra de casa mais acessível para os neozelandeses.

 

"Mantemo-nos firmemente a favor de que [o acesso a uma] casa é um direito", afirmou a primeira-ministra.

 

Jacinda Ardern afirmou que entre o Natal e o final do ano espera aprovar a legislação necessária para alterar a lei de investimento estrangeiro para que a habitação passe a ser qualificada como "sensível".

 

Segundo a dirigente, a medida irá proibir a aquisição de casas já construídas a quem não tem cidadania neozelandesa ou residência no país, à excepção dos cidadãos australianos, dado que os neozelandeses também podem comprar propriedades na Austrália.

 

A proibição não irá afectar a venda de terrenos em zona residencial para a construção de casas nem a compra de fracções em planta. Os actuais proprietários estrangeiros também não sofrerão qualquer impacto com a medida.

 

Ardern também garantiu que a medida não vai beliscar uma série de tratados bilaterais de comércio livre nem o Acordo Transpacífico (TTP, na sigla em inglês) se as mudanças forem aprovadas antes da ratificação do acordo multilateral após a saída dos Estados Unidos do pacto.

 

A habitação constitui um dos focos do debate político na Nova Zelândia face à escalada dos preços que, nos últimos anos, quase duplicaram em lugares como Auckland, a quarta cidade menos acessível do mundo, segundo a consultora especializada Dempographia.

 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas

Ora aqui está um exemplo que poderíamos seguir, agora que por cá, com o aumento de estrangeiros a virem, os preços começam a tornar-se impraticàveis para os portugueses.

comentários mais recentes
pertinaz Há 2 semanas

MAIS UMA SYRIZA

Ó Gente Há 3 semanas

Ó minha gente aguenta ,aguenta aí o BCP para eu vender a 25 antes que proíbam a venda a mais de 20 é que já andam por aí uns zunm zumns de que vão proibir de vender acções que tenham preços superiores aos que tinham há 9 meses antes de parirem !

Anónimo Há 3 semanas

Seria uma política também acertada para Portugal, isto se os nossos políticos tivessem visão e respeito por todos aqueles que são especulados com esta deriva, e aí sim, teríamos alguma modernidade a acrescentar nesta área.

Anónimo Há 3 semanas

Ora aqui está um exemplo que poderíamos seguir, agora que por cá, com o aumento de estrangeiros a virem, os preços começam a tornar-se impraticàveis para os portugueses.