Economia Novas regras baralham integração de precários
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Novas regras baralham integração de precários

Ex-estagiários do Estado estão a receber cartas onde as comissões recusam a análise da sua candidatura. Mas o Governo garante que os casos serão revistos ao abrigo das novas regras que já foram aprovadas no Parlamento.
Novas regras baralham integração de precários
Miguel Baltazar/Negócios
Catarina Almeida Pereira 25 de outubro de 2017 às 23:15

O programa de regularização de vínculos precários no Estado tem uma particularidade: as regras legislativas estão a ser construídas quando o programa decorre, já depois do período de candidaturas.

)

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Dinis Há 3 semanas

Mas este tipo faz alguma coisa que não seja para baralhar?!!

pertinaz Há 3 semanas

CLARO... A ESCUMALHA VENDEDORA DE BANHA DA COBRA É ASSIM MESMO...!!!

fpublico condenado a 48 anos trabalho/descontos Há 3 semanas

precarios= oportunistas/cunhas/compadrio/tansos

Anónimo Há 3 semanas

Convém não esquecer que o resgate externo ao excedentarismo e sobrepagamento na banca e no sector público (contribuinte)-dependente em sentido estrito, foi facultado sob condição de se fazerem urgentes e necessárias reformas em termos de mercado de bens e serviços e de factores, incluindo o de capital e o laboral, de modo a que uma correcta e adequada política de gestão de recursos humanos nas organizações portuguesas passasse a ser a norma e não a excepção. Mas para que tal aconteça, toda a corrupção e tráfico de influências que sustenta e alimenta o status quo íniquo e insustentável terá de ser combatida eficazmente.

Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
Saber mais e Alertas
pub