Mundo Novo auge das bicicletas na China não ajuda grandes fabricantes

Novo auge das bicicletas na China não ajuda grandes fabricantes

Na China, o fenómeno da partilha de bicicletas está a mudar a forma de locomoção das pessoas nas cidades — e a obrigar as fabricantes negociadas na bolsa a lutarem para ficar com uma parte dos lucros.
Novo auge das bicicletas na China não ajuda grandes fabricantes
Bloomberg 28 de maio de 2017 às 14:00

Em grandes cidades, como Pequim e Xangai, as calçadas estão a encher-se de bicicletas estacionadas que qualquer pessoa pode desbloquear com uma aplicação do telemóvel. O custo é de uns poucos cêntimos de dólar por hora, e depois os utilizadores podem deixá-las em qualquer lugar, ao contrário dos esquemas de aluguer nas cidades ocidentais, onde geralmente é preciso devolver as bicicletas a pontos específicos.

 

À medida que a concorrência fica mais acirrada — só em Pequim, pelo menos sete empresas oferecem esses serviços —, as maiores fabricantes de bicicletas estão a tentar apanhar boleia com essa tendência. As acções dessas empresas têm caído, porque a partilha de bicicletas pode prejudicar as vendas, já abaladas pela desaceleração económica da China e pela concorrência de fabricantes de menor dimensão.

 

A Giant Manufacturing, de Taiwan, maior fabricante de bicicletas do mundo por valor de mercado, entregará 600.000 unidades até o final do ano à Ofo, uma empresa de aluguer cujas bicicletas amarelas dominam mais de metade do mercado na China. O Shanghai Phoenix Enterprise Group, que fabrica bicicletas na China desde a década de 1950, afirmou este mês que também fornecerá pelo menos cinco milhões de unidades à Ofo, que tem sede em Pequim.

 

As fabricantes de bicicletas "estão actualmente numa encruzilhada ", disse Rui Shi, analista da consultora iResearch Consulting Group, em Pequim. "É inevitável que as grandes fabricantes procurem cooperar com as empresas de aluguer, porque o transporte partilhado vai prejudicar as vendas no retalho de modelos baratos".

 

Até agora, as empresas de aluguer recorreram a fabricantes pequenas, que forneceram modelos básicos a um custo baixo. Tianjin Flying Pigeon Cycle Development e Tianjin Fuji-ta Bicycle, ambas de propriedade privada, são algumas das fornecedoras da Ofo. A principal rival da Ofo, Mobike, montou as suas exclusivas bicicletas alaranjadas, que usam um sistema de bloqueio GPS, com a ajuda da Foxconn Technology Group e da Tianjin Aima Sport Goods, de acordo com o jornal Beijing Morning Post.

 

"Algumas fabricantes negociadas em bolsa demoraram a entrar no negócio de partilha de bicicletas", comentou Wang Chenxi, analista da Analysys International, uma empresa de pesquisa na Internet em Pequim. "Elas são mais cautelosas do que as fabricantes privadas de pequena dimensão e demoram muito mais tempo a tomar decisões".

 

Evolução em bolsa

 

As acções da Giant caíram mais de 30% nos últimos dois anos, enquanto a empresa reorganizava a administração num contexto de queda dos lucros. As acções estão a subir em Taiwan, mas a Giant atingiu o valor mais baixo em quatro anos no mês passado após atribuir a sua primeira queda anual das vendas em sete anos à queda de mais de 20% da receita na China.

 

A maior economia da Ásia representa cerca de um terço da receita total da Giant, de acordo com Chun-Hao Chang, analista dedicado a acções de empresas de lazer e consumo na President Capital Management, em Taipei.

 

A Phoenix deu um salto no ano passado devido à especulação de que estaria a cooperar com empresas importantes de partilha de bicicletas. Mas as acções caíram quando a companhia negou essa informação e agora estão 48% abaixo do pico registrado em Dezembro. A Phoenix ainda não deu detalhes sobre contratos ou preços do acordo fechado este mês para fornecer bicicletas à Ofo.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Dono dos burros 28.05.2017

Quanto mais pobres são os burros, mais adoram tecnologia. Eu vejo isso pelos pilantras à minha volta, quanto menos fazem, mais tecnologia têm nas mãos. O rendimento mínimo dá para tudo.

Conselheiro de Trump 28.05.2017

Importante sera nao deixar de pedalar para nao parar a economia segundo. o filosofo d.branca.

pub