Ambiente Novo parque solar chinês tem a forma de um panda

Novo parque solar chinês tem a forma de um panda

Chama-se Panda Power Plant e entrou em funcionamento no final de Junho. Assume a forma de um panda, com vista a atrair mais jovens chineses para o combate às alterações climáticas.
Novo parque solar chinês tem a forma de um panda
Carla Pedro 07 de julho de 2017 às 00:37

A Panda Energy Green, anteriormente conhecida como United Photovoltaics, fez no final de Junho a ligação de 50MW de um parque solar à rede eléctrica de Datong, na província de Shanxi (norte da China). A capacidade agregada de instalação será de 100 megawatts, mas, para já, nesta primeira fase só arrancou com metade do seu potencial.

 

O aspecto mais curioso deste parque fotovoltaico é que tem a forma de um panda, quando visto de cima. Sorridente, com um ar afável, apetece abraçar. E a ideia é mesmo captar mais defensores do clima que arregacem as mangas e abracem… a causa.

 

Esta primeira instalação insere-se num projecto delineado entre o China Merchants New Energy Group (CMNE) – maior accionista da Panda Green Energy – em colaboração com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), explica a PV Magazine.

 

A ideia remonta a Setembro do ano passado, quando o CMNE celebrou um acordo com o PNUD no sentido de criar projectos de energia solar com a forma do panda – um animal muito acarinhado na China, que se alimenta de folhas de bambu.

 

Logo em seguida, a Panda Energy Green mudou de nome e pôs mãos à obra. A construção do parque teve início em Novembro e é já uma realidade.

 

Diz o China Daily que estes parques fotovoltaicos visam captar também a atenção das camadas mais jovens no combate às alterações climáticas. A pensar nisso, não só este parque tem a forma de um simpático panda como também conta com um centro de actividades para jovens, onde as crianças e adolescentes em idade escolar podem aprender muito sobre os benefícios da energia solar, segundo a Inquirer.

 

Este foi o primeiro panda a nascer no âmbito do projecto CMNE-PNUD, que já conseguiu atrair 10 grandes empresas do sector da energia solar para criar uma "equipa de sonho", sublinha o China Daily.

 

O objectivo é consciencializar cada vez mais o povo chinês para a importância do desenvolvimento sustentável, refere por sua vez a PV Magazine. E, de facto, "o que torna esta central solar tão especial não é tanto a tecnologia usada mas sim o seu aspecto", daí chamar-se Panda Power Plant, destaca a Inquirer.

 

As estimativas, de acordo com a mesma publicação, apontam para que este parque fotovoltaico possa abastecer os lares com 3,2 mil milhões de kilowatts/hora de electricidade verde dentro de cerca de 25 anos. Isto significa poupar cerca de um milhão de toneladas de carvão que iriam ser usadas para produzir electricidade, e reduzir em 2,74 milhões de toneladas as emissões de dióxido de carbono, de acordo com os dados da empresa citados pela Business Insider.

 

Posto isto, "quem consegue dizer que as instalações de painéis solares não podem ser adoráveis?", pergunta a Inhabitat num artigo sobre este parque fotovoltaico. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar