Política Novo primeiro-ministro italiano reconduz vários ministros de Renzi

Novo primeiro-ministro italiano reconduz vários ministros de Renzi

O novo primeiro-ministro italiano, Paolo Gentiloni, anunciou esta segunda-feira a composição do seu governo, que reconduz no cargo vários ministros, incluindo o das Finanças, Pier Carlo Padoan.
Novo primeiro-ministro italiano reconduz vários ministros de Renzi
Reuters
Lusa 12 de Dezembro de 2016 às 19:21

Paolo Gentiloni, que era ministro dos Negócios Estrangeiros no governo do antigo primeiro-ministro Matteo Renzi, disse que o seu substituto na liderança da diplomacia italiana será Angelino Alfano, ex-ministro do Interior e antigo braço direito de Silvio Berlusconi.

 

Outros ministros reconduzidos foram Roberta Pinotti, na Defesa, Giuliano Poletti, no Trabalho, Dario Franceschini, na Cultura, Beatrice Lorenzini, na Saúde, e Andrea Orlando, na Justiça.

 

Marco Minniti, antigo secretário de Estado responsável pelos serviços secretos, substituiu Angelino Alfano no Ministério do Interior.

 

Maria-Elena Boschi, antiga ministra das Reformas, próxima de Matteo Renzi e "mãe" da reforma constitucional rejeitada pelos italianos em referendo a 4 de Dezembro passado, continua no Governo, mas num posto de subsecretária de Estado da presidência do Conselho de Ministros, um cargo estratégico equivalente a chefe de gabinete.

 

A antiga ministra das Reformas substitui Luca Lotti, nomeado secretário de Estado do Desporto.

 

O novo governo deverá ser aprovado terça-feira pelo parlamento.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub