IRS Novos escalões de IRS: 1,5 milhões de contribuintes vão beneficiar
IRS

Novos escalões de IRS: 1,5 milhões de contribuintes vão beneficiar

O Correio da Manhã publica hoje os escalões de IRS que serão aplicados em 2018, confirmando-se o desdobramento do segundo e do terceiro escalão. Rendimentos colectáveis abaixo de 1.785 euros por mês saem a ganhar.
Novos escalões de IRS: 1,5 milhões de contribuintes vão beneficiar
Miguel Baltazar
Negócios 11 de outubro de 2017 às 09:50

O Correio da Manhã explica que os novos escalões de IRS já têm um acordo de princípio do PCP e do BE e, caso não haja nenhuma surpresa, deverão constituir o desenho final do alívio fiscal para o próximo ano. Um milhão e meio de contribuintes deverá beneficiar dele.

 

Os cinco escalões actuais transformam-se em sete, com as alterações a concentrarem-se no segundo e no terceiro. O segundo escalão – que ia dos 7.091 aos 20.261 euros por ano, como uma taxa de 28,5% – desdobra-se em dois. Um dos 7.091 aos 10.700 euros e outro dos 10.700 aos 20.261 euros/ano, com taxas de 23% e 28,5%, respectivamente.

 

O terceiro escalão – que ia dos 20.261 aos 40.522 euros anuais, com uma taxa de 37% - também se divide. Passará a existir um escalão dos 20.261 aos 25.000 euros e outro dos 25.000 aos 36.856 euros, com taxas de 35% e 37%. Quem ganhe entre 36.856 e 40.522 euros/ano passa para o sexto escalão (antigo quarto), o que significa que rendimentos acima de 1.785 euros por mês não beneficiarão deste alívio.

Importa referir que todos estes valores dizem respeito ao rendimento colectável dos contribuintes e não o rendimento bruto. É necessário deduzir o valor bruto de deduções específicas.

 

Segundo as contas do CM, estas mudanças traduzirão um alívio para 1,5 milhões de contribuintes. Cerca de um milhão do antigo segundo escalão e 500 mil do antigo terceiro. A medida deverá representar uma perda de receita de 400 milhões de euros.

 

A este desdobramento de escalões junta-se ainda o aumento do chamado "mínimo de existência", de 8.500 para 8.850 euros, isentando de IRS os contribuintes com salários até 632 euros por mês.




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Pelos vistos muita gente aqui a comentar nem sequer sabe que o IRS é progressivo e por isso todos os que têm um trabalho dependente caiem dentro destes escalões.

José Há 1 semana

Portugal é uma treta de país. O Estado vai sempre ao bolso de quem ganha. Há diferença entre este governo e o anterior? Há. A diferença está em que este vai ao bolso aos mais ricos e o outro foi ao bolso aos mais pobres. Esperemos pelas eleições para ver quem prefere o quê.

Mr.Tuga Há 1 semana

Qual Luxemburgo! Qual Noruega....

O novo milagre económico! O novo OASIS é tugaLÂndia....
Tenho de ir a farmácia aviar vaselina para a malta dos subsídios e TUDO GRATIS ter um desagravamento....

portulord Há 1 semana

a maior parte comenta sem saber verdadeiramente o que está a escrever

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub