Emprego Número de desempregados baixou 41% em quatro anos

Número de desempregados baixou 41% em quatro anos

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego em Portugal voltou a descer em Setembro, situando-se cada vez mais perto dos 400 mil.
Número de desempregados baixou 41% em quatro anos
Carolina Cravinho/Negócios
Nuno Carregueiro 23 de outubro de 2017 às 12:16
O desemprego em Portugal permanece em trajectória de descida, mostram os dados do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) publicados esta segunda-feira, 23 de Outubro.

O número de desempregados registados nos centros de emprego baixou em Setembro para 410.819, o que representa um novo mínimo desde o final de 2008. Comparando com Setembro do ano passado a queda é de 80.288, ou 16,3%, enquanto face a Agosto a redução é de 7.416, ou 1,8%.

Alargando o espaço temporal da análise, os números do IEFP mostram a dimensão da queda do desemprego em Portugal. Face a Setembro de 2015 o número de desempregados desceu 128 mil e contra Setembro de 2014 a queda supera os 200 mil.

Já comparando com Setembro de 2013 (o pior mês de Setembro de sempre, com quase 700 mil inscritos nos centros de emprego), a descida no número de desempregados é de 286 mil. Uma queda de 41% que ilustra a recuperação da economia portuguesa desde os tempos da troika.

A recuperação sustentada do mercado de trabalho também tem tido reflexo na taxa de desemprego (medida pelo INE), que não esteve muito longe dos 20% no pico da crise e está agora perto dos 9%.
Algarve lidera queda

Os dados do IEFP relativos a Setembro deste ano mostram que a descida do desemprego foi mais forte nos homens (-43.335, ou -19%), nos inscritos há menos de um ano (-45.523, ou -18,1%) e os que possuem como habilitação escolar o 1º ciclo do ensino básico (-18137, ou -18,6%).

A nível regional, o IEFT destaca que o desemprego registado desceu em todas as regiões, continuando o Algarve a destacar-se com a queda mais acentuada (-26,5%).

No que diz respeito às ofertas de emprego recebidas em Setembro de 2017 totalizaram 11.987, o que representa um crescimento homólogo de 7,4% (+829) e mensal de (1.543;+14,8%).



A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 4 semanas

E em Portugal pouco ou nada se produz bem e de relevo para além daquilo que já se produzia há 100 anos atrás. Grande desgraça que aí vem.

comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

Excelente artigo, pelo menos o 1 parágrafo. Daí a atribuir a recuperação da economia parece um bocado naif.
http://www.pordata.pt/Portugal/Emigrantes+total+e+por+tipo-21

Anónimo Há 4 semanas

Digam lá qual a "labor force participation rate". Nos EUA está em níveis mínimos só comparáveis aos da década de 1970. Se analisarmos por género, o indicador está no nível mínimo absoluto para o género masculino desde pelo menos o registo oficial referente a 1948. Em Portugal será diferente?

pertinaz Há 4 semanas

PUDERA... OS DESEMPREGADOS DE LONGA DURAÇÃO SAIEM DAS ESTATÍSTICAS ...!!!

Anónimo Há 4 semanas

Em matéria de emprego interessaria saber
- quantos empregos privados ( sem Adm. Pública) se criaram nos ultimos 4 anos ( o INE deve saber)
- qula o salário médio desses empregos privados criados ( a Seg.Social saberá).
Ou seja,que empregos PRODUTIVOS foram criados e qual a sua qualidade.

ver mais comentários