Emprego Número de desempregados inscritos em França caiu pelo 3.º mês consecutivo

Número de desempregados inscritos em França caiu pelo 3.º mês consecutivo

O número de trabalhadores desempregados inscritos em França diminuiu em Novembro pelo terceiro mês consecutivo, o que não acontecia desde a crise económica de 2008, anunciou o Ministério do Trabalho francês.
Número de desempregados inscritos em França caiu pelo 3.º mês consecutivo
Bloomberg
Negócios com Lusa 26 de dezembro de 2016 às 20:47

De acordo com dados hoje divulgados, o número de pessoas sem actividade e obrigadas a procurar trabalho activamente inscritas nos centros de emprego era em Novembro de 3,45 milhões na França metropolitana, menos 31,8 mil face a outubro (-0,9%).

 

Só nos últimos três meses, o número de desempregados baixou 109,8 mil (3,1%).

 

O Presidente socialista, François Hollande, já disse que vê estes resultados com "satisfação", mesmo que "nada esteja em jogo".

 

O chefe de Estado de França, que condicionou há uns tempos a candidatura a um novo mandato como Presidente da República à inversão do número de desempregados, renunciou no início de Dezembro a um segundo mandato.

 

"O desemprego baixou de forma duradoura no nosso país. Continuemos!", disse, por seu lado, na rede social Twitter Manuel Valls, primeiro-ministro e já anunciado candidato às primárias de esquerda à Presidência da República.

 

Segundo as últimas previsões do Instituto Nacional de Estatística francês, que são as válidas para comparações internacionais, a melhoria observada no domínio do emprego vai continuar, mas de forma ligeira.

 

A taxa de desemprego, que era de 10% no final de 2015, deverá diminuir para 9,6% em França no final de 2016, um declínio que deverá continuar até meados de 2017, para 9,5% da população activa.


A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 26.12.2016

Quantas mais eleicoes parlamentares houverem,menor sera o desemprego,espertalhoes.

pub