Economia OCDE antecipa crescimento estável para os próximos seis meses

OCDE antecipa crescimento estável para os próximos seis meses

Os indicadores avançados pela OCDE divulgados esta terça-feira, 8 de Agosto, antecipam que as principais economias vão manter um registo de crescimento estável nos próximos seis meses.
OCDE antecipa crescimento estável para os próximos seis meses
Miguel Baltazar/Negócios
Negócios 08 de agosto de 2017 às 12:07

As economias dos países da OCDE vão manter-se numa trajectória estável de crescimento, de acordo com os indicadores avançados divulgados esta terça-feira, 8 de Agosto, pela organização. A média dos países membros manteve-se nos 100 pontos em Junho, e a da Zona Euros foi de 100,4 pontos.  Estes indicadores, recorde-se, sinalizam possíveis alterações no ciclo económico nos próximos seis a nove meses.

 

Em comunicado, a OCDE sublinha que continua a antecipar um impulso de crescimento estável no conjunto dos países. É assim para Zona Euro, como um todo, e em particular para países como Alemanha, França, China ou Brasil, onde as perspectivas permanecem inalteradas.

 

É espectável também uma dinâmica de crescimento estável no Japão, no Canadá, Estados Unidos e na Itália. Para o Reino Unido confirmam-se sinais positivos também no sentido do crescimento económico, e o mesmo acontece na Rússia, onde começam a existir sinais provisórios de alguma flexibilização do crescimento.

 

Nos cinco maiores países asiáticos – China, Índia, Indonésia, Japão e Koreia – a média em Junho ficou em 100,1 pontos, em claro crescimento face aos restantes meses do primeiro semestre, em que se mantiveram sempre abaixo de 100 e levando a OCDE a antecipar agora um impulso no crescimento económico para os próximos seis a nove meses.

 

Os Estados Unidos, com 99,7 pontos em Junho, deverão também ter um momento de estabilidade e crescimento, avança a OCDE. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub