Economia OCDE: Governo inverteu reformas na Função Pública, que voltou a crescer

OCDE: Governo inverteu reformas na Função Pública, que voltou a crescer

OCDE entende que há emprego a mais em sectores como a Educação e Segurança, apesar de reconhecer que há falta de pessoal noutros sectores, que não identifica.
OCDE: Governo inverteu reformas na Função Pública, que voltou a crescer
Bruno Simão/Negócios
Catarina Almeida Pereira 06 de fevereiro de 2017 às 16:30

Se em 2014 a OCDE recomendava "reduzir ainda mais" o número de funcionários públicos, em 2016 constatou que a orientação foi revertida e que o número de funcionários voltou a crescer. No relatório sobre a economia portuguesa divulgado esta segunda-feira, a OCDE reconhece que há falta de pessoal nalguns sectores – que não identifica – e entende que há funcionários a mais na educação (professores) ou na polícia.

 

"As despesas de pessoal no sector público estão novamente a aumentar", refere a OCDE. Em concreto, em 680 milhões de euros no ano passado, revelou o ministro das Finanças, que atribuiu a evolução à eliminação dos cortes salariais (338 milhões de euros), ao pagamento de promoções retroactivas no IEFP, por ordem do tribunal, ao adiamento do pagamento de contribuições na Educação (de 2015 para 2016) ou ao reforço das despesas com pessoal. Mário Centeno desligou esta evolução dos impactos das 35 horas.

 

"Embora fosse expectável que os cortes salariais no sector público não pudessem ser permanentes", diz a OCDE, "a semana de trabalho de 35 horas foi reposta para a maioria dos funcionários públicos e foi revertida a decisão de redução da contratação pública, ao contrário do que havia sido proposto pela OCDE no Estudo Económico de Portugal de 2014".

 

"O emprego público aumentou 0,8% no ano até meados de 2016" e "será necessária uma supervisão estreita para verificar se é respeitado o compromisso de uma nova contratação por cada duas saídas para a reforma", refere a OCDE.

 

Os últimos dados oficiais sobre o número de funcionários, relativos ao terceiro trimestre do ano, mostram que nessa altura o emprego público estava a crescer 1% em termos homólogos, "correspondente a mais 6 319 postos de trabalho em resultado do aumento de emprego na administração central, em particular no Ministério da Educação". A recuperação segue-se a uma quebra de quase 10% ao longo dos últimos anos.

 

"Neste momento", prossegue a OCDE, "coexistem situações de escassez de pessoal em alguns sectores, enquanto se regista um excesso de pessoal em outros, como é o caso das forças de segurança e da educação. Como exemplo, com 432 polícias para 100 mil habitantes, a força policial em Portugal possui mais recursos humanos do que a média da polícia dos países da UE. Na educação, o declínio no número de estudantes não tem sido completamente reflectido nos ajustamentos na quantidade de elementos do corpo docente".

Os autores do relatório não identificam as áreas com falta de pessoal.

 

Um congelamento nominal no consumo público intermédio implica "significativos riscos de implementação" e pode não ser "sustentável" na contenção da despesa, uma vez que, em princípio, o consumo intermédio poderia ser reduzido através da contratação de pessoal para executar tarefas anteriormente subcontratadas

externamente".

 

Os autores dizem que está em curso uma análise à despesa nos sectores da saúde, educação e contratação nas empresas públicas e que os resultados devem ser implementados.

 

"São de saudar medidas para melhorar a eficiência das despesas sociais, incluindo a introdução de condições de recurso nos programas de apoio social e verificações mais frequentes dos beneficiários de prestações sociais de doença, mas existe uma incerteza significativa relativamente até que ponto as melhorias planeadas serão conseguidas, nomeadamente a curto prazo", concluem os autores.


A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado PPD 07.02.2017

As únicas reformas do DESGOVERNO da PUF, foi o assalto a ordenados e reformas, (coisa a que já estão habituados BPN,BABIF,BPP), por isso ROUBAR ordenados e pensões foi a solução mais fácil para o CALOTEIRO MASSAMÁ.......

comentários mais recentes
PPD 07.02.2017

As únicas reformas do DESGOVERNO da PUF, foi o assalto a ordenados e reformas, (coisa a que já estão habituados BPN,BABIF,BPP), por isso ROUBAR ordenados e pensões foi a solução mais fácil para o CALOTEIRO MASSAMÁ.......

antonio 06.02.2017

Se não fosse a pensar nele em vez de pensar no país, como é que o nosso 1º comprava votos com o dinheiro dos contribuintes que só aumentou em 10 mil milhões de euros num anos. Com este andamento comprará muitos votos e engordará o Estado ainda mais, mas onde se chegará com a dívida e quem a vai paga

Rei dos Afetos 06.02.2017

É uma excelente noticia!!! No mundo perfeito seriamos todos funcionários publicos, ricos, bonitos e saudaveis.
É para isso que luto e lutarei no meu mandato de Miss Mundo, Europa e de Belém.




pub
pub
pub
pub